Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

TikTok reforça batalha de comunicação contra Donald Trump

ID:N°/ Texto: 5690
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(LUSA) - A popular rede social TikTok, acusada pelo Governo de Donald Trump de espionagem, intensificou hoje a sua campanha de comunicação, com uma nova página na Internet e uma conta no Twitter, dedicadas a combater "rumores".

"Tendo em conta os rumores e a desinformação sobre o TikTok que proliferam em Washington e nos meios de comunicação social, queremos repor a verdade", disse a empresa no seu website, com o lema o Last Sunny Corner of the Internet, que significa o último canto ensolarado da Internet.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem acusado nos últimos meses, embora sem apresentar qualquer prova, a popular plataforma de partilha de vídeos, de utilizar os dados dos utilizadores norte-americanos para beneficiar Pequim.

Trump assinou duas ordens executivas destinadas a forçar a ByteDance, grupo chinês proprietário do TikTok, a vender rapidamente as operações americanas da rede, sob pena de a bloquear nos Estados Unidos.

"O TikTok não está disponível na China. Os dados dos utilizadores dos EUA são armazenados na Virgínia, com uma cópia de segurança em Singapura", disse a empresa. "O TikTok nunca forneceu quaisquer dados americanos ao Governo chinês e não o faria se lhe fosse pedido", acrescentam os responsáveis pela plataforma.

Num cenário de elevadas tensões comerciais e políticas com a China, o inquilino da Casa Branca tomou medidas radicais contra a rede, que é muito popular entre os mais jovens.

A 6 de agosto, Trump proibiu o TikTok e o WeChat, rede social da chinesa Tencent, de efetuarem qualquer transação com parceiros norte-americanos durante 45 dias, por as considerar uma ameaça para a segurança, a política externa e a economia dos Estados Unidos.

Na sexta-feira, assinou uma segunda ordem executiva, forçando a ByteDance a vender as operações americanas da TikTok, a sua rede social internacional, no prazo de 90 dias.

"Há quase um ano que tentamos falar com o Governo dos EUA para encontrar uma solução", reagiu a TikTok. "Mas fomos confrontados com uma administração que não leva os factos em conta, não respeita os procedimentos legais e tenta interferir nas negociações entre empresas privadas", sublinham os responsáveis pela aplicação.

O gigante da informática norte-americano Microsoft está em negociação com o ByteDance para comprar a TikTok, pelo menos nos Estados Unidos.

O ByteDance deverá também confirmar que destruiu todos os dados "de utilizadores norte-americanos, obtidos através da TikTok e da Musical.ly", uma aplicação norte-americana adquirida pela sociedade chinesa e fundida com a TikTok.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

Carla Pimenta
Jornalista da luso.eu CC43 A
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.
Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

Intermitências da Pandemia – o “novo normal” https://t.co/RRnfQalmYl
Suspeito admite ataque em Paris e justifica-o com republicação do Charlie Hebdo https://t.co/4Rhfb7I4eN
Jovens farmacêuticos devem ser aproveitados pelo sistema de saúde https://t.co/ImNLtkAFs8
Follow Jornal das Comunidades on Twitter