terça-feira, 07 fevereiro 2023

A lama dos dias

Fev. 02, 2023 Hits:278 Crónicas

DIGNIFICAR A AUTORIDADE

Fev. 01, 2023 Hits:130 Crónicas

Homoousios

Jan. 31, 2023 Hits:160 Crónicas

O Escorpião Marcelo

Jan. 31, 2023 Hits:106 Opinião

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:205 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:488 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1879 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:1019 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:438 Apontamentos

Ucrânia: Impasse nas negociações e avolumar de vítimas civis





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


A caminho de duas semanas de invasão da Ucrânia pelas tropas russas do Kremlin, continuam a falhar as tentativas negociais de estabelecer corredores humanitários para evacuar cidades ucranianas sitiadas, enquanto prosseguem combates e a morte de civis. 

Com o número de refugiados ucranianos a aumentar incessantemente, tendo atingido 1,5 milhões de pessoas, as delegações russa e ucraniana voltaram esta tarde a sentar-se frente a frente, mas com versões divergentes quanto ao resultado: enquanto o delegado de Kiev, Mykhailo Podoliak, salientou "alguns resultados positivos" na questão dos corredores humanitários, o russo Vladimir Medinsky afirmou que a nova ronda "não correspondeu às expectativas".

Pela terceira vez consecutiva, falharam hoje as retiradas de civis previstas, devido à violação do cessar-fogo, com ambas as partes a culparem-se mutuamente pelo incumprimento do acordado.

A maior parte dos corredores humanitários propostos por Moscovo para retirar civis das cidades sitiadas pelo exército russo seriam estabelecidos através de território da Bielorrússia, aliado do Kremlin, segundo o Governo da Ucrânia, que considera essa solução inaceitável e defende que as pessoas devem poder ser retiradas para território ucraniano.

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) esclareceu hoje que a retirada de civis da cidade ucraniana de Mariupol (sudeste) falhou devido às hostilidades e à falta de acordo sobre uma rota segura.  

Já ao início da noite, Moscovo voltou a anunciar a abertura de corredores humanitários na terça-feira.

Mesmo antes da ronda negocial de hoje, e ignorando apelos internacionais para um cessar-fogo, o Kremlin propôs interromper a sua ofensiva se Kiev renunciar à adesão à NATO, reconhecer a Crimeia como território russo e reconhecer a independência da região do Donbass, parcialmente ocupada por milícias pró-Rússia.

"Este é outro ultimato e não estamos preparados para ultimatos", disse o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, a propósito das exigências russas, vincando a distância que separa ambas as partes. 

Quanto aos apelos de Kiev para que lhe sejam entregues aviões de combate, a Polónia veio hoje colocar de parte esta possibilidade.

"A Polónia, em estreita cooperação e coordenação com a NATO, está a tentar desescalar [a guerra na Ucrânia]”, sublinhou Mateusz Morawiecki, chefe de governo polaco, acrescentando que a Polónia e a NATO “não estão em guerra com a Rússia”.

Morawiecki negou três vezes, perante a repetição das perguntas, que a Polónia vá ceder alguns dos seus aviões de combate à Força Aérea ucraniana, em troca de receber aviões F-16 dos Estados Unidos.

Também a questão de um possível boicote ao petróleo russo está a dividir os países ocidentais.

No início da invasão, os países ocidentais mantiveram-se unidos em termos de sanções económicas, mas esta sintonia pareceu quebrar hoje relativamente ao embargo à importação de petróleo e gás russo, posição rejeitada pela Alemanha, que está muito dependente do fornecimento de gás russo, noticiou a agência France Presse (AFP). 

A Casa Branca assegurou que os países ocidentais mantêm a sua determinação em "continuar a aumentar o custo” infligido à Rússia pela invasão da Ucrânia, segundo comunicado divulgado após uma videoconferência entre os presidentes dos EUA e França, Joe Biden e Emanuel Macron, respetivamente, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o chanceler alemão, Olaf Scholz.

No terreno, prosseguiram os combates sobretudo no leste, sul e norte da Ucrânia, com as forças russas a procurarem ganhar terreno em redor das principais cidades. 

As forças russas mantêm os ataques com mísseis e artilharia contra várias cidades e regiões da Ucrânia, especialmente em Jarkov (leste), Sumy (noroeste) e Odessa (sul), disseram hoje as autoridades ucranianas.

"Desde o início do 12.º dia (da invasão russa), o inimigo continuou a realizar ataques com artilharia contra cidades da Ucrânia", assinalaram as Forças Armadas ucranianas acrescentando quer "os russos" continuam a usar a rede de aeródromos da Bielorrússia para projetarem os ataques de aviação de combate. 

A Ucrânia indicou hoje que mais de 11.000 soldados russos foram mortos desde o início da invasão do país pela Rússia, segundo o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia, que reclamou ainda ter destruído um total de 290 tanques, 46 aviões e 68 helicópteros russos.

Nove pessoas morreram na sequência dos bombardeamentos russos no domingo contra o aeroporto de Vinnytsia, 200 quilómetros a sudoeste de Kiev, disseram hoje as autoridades de emergência ucranianas.

Também o impasse caracterizou a reunião no Conselho de Segurança das Nações Unidas, onde já esta noite Martin Griffiths, subsecretário-geral das Nações Unidas para Assuntos Humanitários e Coordenação de Operações de Emergência apelou a que seja dado às agências humanitárias acesso às vítimas civis do conflito. 

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1059  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28