Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

PORQUÊ O NOME PÃO DE LÓ?

ID:N°/ Texto: 5064
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Em tempos de Páscoa e de fabrico do seu principal doce, resolvemos divulgar hoje alguma pesquisa efectuada sobre a origem do nome do omnipresente doce na mesa de Domingo próximo. Trata-de de um rascunho já com bom par de anos, pois destinava-se ao Guião de um Cortejo Histórico de Felgueiras, a convite do município local.

Em documentação antiga, a designação do produto regional é pão doce, mas em publicações de há mais de duzentos anos, já surge com o nome de Pão de Ló. Por exemplo no ano de 1826 foi editada em Lisboa a quinta edição do livro – Cozinheiro Moderno ou Nova Arte de Cozinha, Onde se ensina pelo Método Mais Fácil, …, da autoria de Luis Rigaud. Na página 316 daquela publicação, é divulgada a receita do doce, também chamado Pão de Sabóia, mas esse estudo clássico da gastronomia portuguesa, faz referência a outros ícones, como os presuntos de Lamego e Melgaço.

Cerca de cem anos depois, a razão do nome é novamente debatida pelo filólogo vianense Cláudio Basto (1886 – 1945) na revista LUSA editada entre 1917 – 1924 (Ano III, números 50 e 51), com sede na capital do Alto Minho. O autor também do “Traje á Vianesa”, lançado em 1930, vincula a sua origem na fabricante Leonor Rosa da Silva, de Margaride, Felgueiras, vendedora do seu famoso Pão de Ló em feiras, onde era conhecida pela – Ló – para amigos e familiares, daí o Pão (da) Ló, e depois o nome Pão de Ló, defende o autor. Contudo, já desde o ano de 1730 que há referências ao fabrico do doce por uma tal Clara Maria, mas seria com a Leonor, sabemos que falecida antes de 1905, que a comercialização ganhou fama, as instalações foram melhoradas e a Casa Real distingui-la-ia em 1888 como sua fornecedora, tendo os reis D. Luis I e D. Carlos como apreciadores do seu doce de Páscoa!

No seguimento da descoberta da designação oficial do produto, também o escritor limiano Conde de Aurora (1896 – 1969), meio século mais tarde, voltaria ao assunto.

O fidalgo das letras regionais, fundamentou a sua opinião que seria “o nome da sua criadora, o diminuitivo de aquela Leonor Rosa da Silva, de Margaride, a Ló, a Lozinha “a razão par designar o doce português, felgueirense. (Gazeta das Aldeias, Mirante, número 2487, de 16 de Janeiro de 1963).

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Últimos Tweets

Covid-19: 'Podcasts', a nova moda dos portugueses na Alemanha https://t.co/a53hPlUeC7
O entrecruzamento da Guerra Colonial com a Emigração Portuguesa https://t.co/WgMqse0lf1
A AUTONOMIA NA RECONSTRUÇÃO DA ESPERANÇA https://t.co/DnImlCr0d8
Follow Jornal das Comunidades on Twitter