Para eventual apresentação na capital europeia
BACALHAU DO CAPITÃO, À PROVA PARA BRUXELAS

O conhecido restaurante limiano Sonho do Capitão, localizado na Correlhã, recebeu um apreciador do principal prato da sua ementa, receita com quase quarenta anos, pois os proprietários iniciaram a sua actividade na década de 70 do século passado, ainda na vila de Ponte de Lima.Falamos do Bacalhau à Capitão, um prato da culinária local, cozinhado sob a forma de posta assada no forno, gratinado, que acompanha com puré e outros ingredientes.

Quanto ao gastrónomo recebido, de seu nome, Victor Alves Gomes, oriundo de Arcos de Valdevez, mas nascido em França, é um funcionário de relevo na Comissão Europeia, com percurso variado, onde destacamos: responsável regional da União Europeia no Kosovo entre 2000 – 2002, com muito trabalho desenvolvido na Direcção Geral dos Assuntos Humanitários em missões na Sérvia e Montenegro, e agora gestor no CEI (Conselho Europeu de Investigação), no âmbito do Programa Horizon 2020, o maior projecto mundial da Ciência e da Inovação.

Victor Gomes acompanha neste momento 320 processos de investigação, entre financiamentos de Bolsas de Investigação e projectos científicos, cuja pasta pertence ao Comissário português Carlos Moedas.
Mas, é também apreciador da boa mesa, e como tal, Presidente da Assembleia Geral da Academia do Bacalhau na Bélgica, (com acentuadas participações nos vizinhos colegas de França e Luxemburgo), daí o convite a Ponte de Lima para saborear um bacalhau diferente dos de outros cardápios, para uma possível prova com seus colegas na Bélgica.

O convívio foi alargado a alguns seus amigos e outros que desta forma, passaram a integrar o seu leque de relações.
Completaram o grupo de apreciadores do “ fiel amigo “, o Gerente do Sonho do Capitão, Filipe Cerqueira; o Chefe da Secretaria da Universidade Fernando Pessoa no Porto, Fernando Fernandes; o administrador do Intermaché de Ponte de Lima, David Rodrigues; Filipe Matos, bancário dos CTT e apaixonado pela cozinha internacional e António Eira, empresário e produtor da nova cerveja artesanal denominada Vaca das Cordas, nome emotivo da multisecular festa popular realizada pelos pontelimenses na véspera de Corpo de Deus.

O jovem cervejeiro, natural da freguesia limiana de Anais, apresentou as quatro variedades do novo produto local, com graduações que variam dos 5 aos 10 graus, consoante os sabores e “ outros segredos integrantes na sua produção “, salientou.

Pub