Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

BRUXELAS - VI FESTIVAL LUSÓFONO Homenageou a mulher de antigamente, com cinco Ranchos Folclóricos

ID:N°/ Texto: 4651

Votos do utilizador: 3 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela inativaEstrela inativa
 

E já vai na sexta edição! Anunciado foi devidamente preparado, o VI Festival Lusófono, que prestou, com elevação, entusiasta homenagem à mulher de antigamente e por ela, todas as mulheres do nosso tempo, em vésperas do Dia Internacional, que lhes é dedicado anualmente. Um tema, digno e dignificante em relação à mulher, que ocupa consagrada missão na família, na sociedade, nas lides domésticas e também nos movimentos sociais/culturais, com destaque para o associativismo e outros, agrupamentos de folclore, onde empresta o melhor se si, numa dedicação  necessária, única, imprescindível. Foi por isso mesmo, muito feliz a ideia desse preito, justo e oportuno.

O Centro Lumen, muito próximo da mítica Place Flagey voltou a ser o local escolhido, para a realização de mais uma grande noite de folclore, uma iniciativa do Grupo Etnográfico "O Ribatejo", que acolheu, de forma superior, os quatro grupos convidados, com uma soberba variedade cultural. Depois da sua actuação, pela qual se deu início ao Festival, seguiram-se os restantes grupos, em ordem preestabelecida.

Assim dava entrada em palco, o Grupo Etnográfico da Casa da Barca, em Lyon. Actuaram com brio e paixão, oriundos de uma região rica em folclore, traje, etnografia, usos e costumes. Primam pelo rigor; no trajar e na disciplina. As suas danças despertaram curiosidade, tão expressivas são; na cana verde picada, numa chula batida, ou no rodopiar do vira da eira. Ao toque estridente da concertina demonstraram, particular vivacidade nos movimentos, com a intensidade da paixão pelo que fazem em palco. Arrebataram assim, a simpatia do público, que os aplaudiu efusivamente! Houve emoção partilhada e alegria, que só a dedicação a esta causa pode dar. Gente dedicada às causas da etnografia, do folclore, dos usos e costumes; um orgulho e uma grande responsabilidade. Em Bruxelas deixaram a marca de Ponte da Barca, onde já se realizaram as 24h00 a dançar o vira!

Actuou de seguida, o Rancho Folclórico e Etnográfico As Cantarinhas La Queue-en-Brie - Paris, em representação do folclore da Alta Estremadura, início do século XX. Vindos de Paris deixaram, uma grande mensagem de preferência e aptidão, de gosto e de paixão pelo traje, o folclore, a etnografia, de uma região rica em história e cultura popular; mereceram bem os aplausos que lhes foram dados, com entusiasmo. Excelente prestação, que enriqueceu e marcou, este grande encontro de Folclore, em Bruxelas, capital da Europa.

A surpresa da noite aconteceu, quando o Grupo do Centro Cultural Sartañani, entrou em palco, com a música, a dança, a arte  e a cultura Boliviana emprestando ao Festival, as cores da diversidade e beleza do folclore, daquele país! Integrar outros grupos é abrir horizontes a outras formas de estar e de viver. Excelente iniciativa, do grupo anfitrião, que exalta e promove a universalidade do folclore, dos usos e dos costumes; foi, de facto, um momento de felicidade, também para aquela simpática comunidade Boliviana, em Bruxelas.

A noite terminava de forma alegre e feliz, com a actuação do Rancho Folclórico "Coração Minhoto", Emaús - Bruxelas. Vizinhos e amigos de longa data estiveram muito bem, a certificar com êxito, o trabalho que realizam há, já mais de quarenta anos! Na homenagem à mulher, tema do Festival, houve quem elevasse o pensamento, a uma grande Senhora de seu nome, Clarinda Antunes, exemplo maior, desta família, que só o folclore propicia. E em quem o grupo se revê, com carinho, orgulho e alegria. Senhora de mil cuidados, de entrega abnegada, de participação e delicadeza. Não é demais dizer, que o Rancho lhe deve muito, talvez a própria existência, tal foi o seu empenho, em determinadas alturas da história do, recentemente nomeado Coração Minhoto. Fica bem e é justo, também neste contexto, um especial agradecimento à Clarinda, amiga de longa data, de muitos anos, para não dizer quantos são! É desejo comum continuar a encontrá-la, nas lides do "seu rancho"! Que representa e bem o folclore do Alto Minho, dignificando a cultura e os valores do folclore português, em Bruxelas, mas também nos países limítrofes, onde já actuaram algumas vezes.

 

O VI Festival Lusófono ficou marcado por um grande sucesso! Os parabéns repartem-se por todos e são extensivos aos grupos convidados, ao magnífico público presente, aos que colaboraram anonimamente, à dinâmica de grupo, à boa organização geral; ninguém ficou de fora na realização de mais um grande Festival, que marca positivamente a vida e a história de todos nós!


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Últimos Tweets

10 de Junho celebrado nos Jerónimos com discursos de Tolentino Mendonça e do PR https://t.co/zkSB3weNLB
3 milhões de euros para formar futuros investigadores em Meteorologia Espacial e Física Solar https://t.co/1c60a5gU0g
Luso-americanos de Nova Iorque preparam Dia de Portugal ‘online’ https://t.co/Mf7UsnWJZK
Follow Jornal das Comunidades on Twitter