Entrevista a Isabel Zambujal para o Jornal “Luso.eu”

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Licenciada em Marketing e Publicidade pelo IADE (Instituto de Arte, Design e Empresa), Isabel Zambujal foi copywriter em várias agências, tendo trabalhado durante alguns anos na área da publicidade.

Em 2001, decidiu aliar o gosto pela escrita (que parece ter herdado do pai, o conceituado jornalista e escritor Mário Zambujal) à paixão pelas crianças e pelo universo infantil. O resultado foi a coleção “Saltinhos…”, quatro títulos sobre as cidades de Lisboa, Porto, Madrid e Paris, já com várias edições e traduzidos para inglês, e que desde logo integraram o Plano Nacional de Leitura.

Entrevista a Isabel Zambujal para o Jornal “Luso.eu”

Luso.eu- Como é que a literatura para crianças entrou na sua vida?

Isabel Zambujal - Durante muitos anos  trabalhei como criativa, na função de redatora publicitária, nas grandes agências de publicidade. No ano de 2000, um grande cliente pediu-me para escrever quatro livros para crianças com o objetivo de promover uma sobremesa. Nunca mais parei!

Luso.eu - Existe uma fórmula mágica na escrita para crianças? Ou seja, há temas ou formas de escrever que obtêm sempre sucesso junto dos leitores mais jovens, ou a reação dos leitores é sempre mais ou menos imprevisível?

Isabel Zambujal - Penso que as crianças gostam de ser surpreendidas. Elas são muito imaginativas e nós temos de tentar ir ainda mais além. O humor também costuma ser muito bem recebido por gente de palmo e meio.

Luso.eu - O exemplo do seu pai e o convívio com os livros foi determinante na sua formação como escritora? Escrever é uma questão de ADN?

Isabel Zambujal - Não, é uma questão de trabalho. Sem trabalho não há ADN que nos salve, mas claro que ajuda ter crescido num ambiente onde a escrita e as palavras são valorizadas.

Luso.eu - A memória / as memórias são muito importantes nas suas histórias. A sua escrita vive mais da(s) memória(s) ou da imaginação?

Isabel Zambujal - Não sou saudosista, mas gosto de memórias. Escrevi o livro “O Pai Natal que Não Comia Queijo – O Pai Natal das Memórias” porque nos esquecemos muitas vezes  de falarmos com as crianças sobre o seu passado, estando sempre preocupados com o seu futuro. Mas, mesmo assim, acho que a minha escrita vive mais da imaginação.

Luso.eu - A literatura infanto-juvenil deve ser didática?

Isabel Zambujal - Deve ser didática ou não, mas deve acima de tudo fazer as crianças gostarem de livros e contribuir para criar hábitos de leitura para toda a vida.

Luso.eu - É importante incentivar o riso nas crianças, ou acredita mais no provérbio “muito riso, pouco siso”?

Isabel Zambujal - Não, não, não subscrevo esse provérbio, prefiro a frase “rir é o melhor remédio”.

Luso.eu - Veio da publicidade para a literatura infantil. Já lhe aconteceu o inverso? Por exemplo, uma marca de detergentes que quisesse usar a sua “nódoa teimosa” para mostrar a sua eficácia?

Isabel Zambujal - Ainda não, mas é uma boa ideia.

Luso.eu-Visita muitas escolas, tem muito contactos com os jovens. Da sua experiência, como convivem hoje os jovens com o objeto livro?

Isabel Zambujal - Visito dezenas de escolas em cada ano letivo, contactando alunos do primeiro ciclo. Professores e bibliotecários fazem um excelente trabalho, organizando semanas da leitura, horas do conto, encontros com autores, concursos literários,.... Na adolescência é mais difícil o convívio com o objeto livro.

Luso.eu-As crianças olham muitas vezes para o escritor como um herói. Acha que o escritor tem, de facto, um super-poder?

Isabel Zambujal - As palavras é que podem ser poderosas. É preciso ter cuidado com o seu uso, principalmente com gente de palmo e meio que está a formar o seu carácter e a descobrir que há diferentes olhares sobre o mundo.

Luso.eu - Há perguntas que os jovens lhe fazem repetidamente?

Isabel Zambujal - De onde vem a inspiração é uma pergunta muito frequente.

Luso.eu - Que conselhos daria aos jovens que querem ser escritores?

Isabel Zambujal - Parar, olhar, escutar, ouvir. Ler e escrever. Escrever e ler.  Ler e escrever.

Luso.eu - Que presente-memória gostaria de receber no próximo Natal?

Isabel Zambujal - Poderiam ser chocolates belgas para me transportarem para os dias felizes que passei nas escolas em Bruxelas, um convite da Coordenação do ensino português do Instituto Camões que nunca esquecerei.

Pub


The Sol Ar Vinhos de Portugal

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
16
17
18
19
20
21

Pub Google

Últimos Tweets

Todos somos Comunidade Portuguesa. https://t.co/sv8zIjo8SI
Seca: Racionamento de água é medida "no fim da linha", ministro do Ambiente https://t.co/c4TK8G3cax
Pantominice https://t.co/v1nwAJCFZg
Follow Luso.be - Bélgica on Twitter