Azeméis com nova arte urbana sobre vidro soprado e obra literária de Ferreira de Castro

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) - Oliveira de Azeméis lançou novos trabalhos de arte urbana relacionados com o fabrico artesanal do vidro e com a obra literária de Ferreira de Castro, que a autarquia descreveu hoje como legados a "preservar no futuro".

Em causa está o programa do chamado "Mural do Espanto", que prevê várias manifestações de 'street art' no contexto da segunda edição do Festival de Espantalhos de Portugal, a decorrer nessa cidade até 31 de julho.

Nas áreas pedonais, vários bancos de estadia pública foram pintados com referências à obra literária do escritor Ferreira de Castro (1898-1974), num trabalho da autoria dos artistas locais Mariana Bento, Leonor Violeta, João Xará e Joana Pintor - que também assinam um mural na saída do parque de estacionamento subterrâneo da Praça da Cidade.

A fachada lateral do Edifício Lucy Bell, na Avenida Ernesto Soares dos Reis, recebe, por sua vez, uma pintura da dupla espanhola Mesa sobre a indústria vidreira, enquanto um muro da Rua Albino dos Reis acolhe um trabalho em relevo que, assinado pela designer portuguesa Aheneah, recorre a tecido e parafusos para reproduzir um gato em movimento numa réplica de ponto-cruz.

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, Joaquim Jorge Ferreira, diz que se trata de transpor para o espaço público "uma realidade importante do concelho", que é, por um lado, a antiga indústria vidreira local e, por outro, a obra literária do autor de "A Selva", "Emigrantes" e "A lã e a neve".

"São marcas que queremos preservar para o futuro", afirma o autarca, que, no caso específico da arte vidreira, pretende candidatá-la a Património Cultural Imaterial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO, na sigla em inglês).

Um artesão a soprar vidro ainda quente é, aliás, a imagem retratada no mural de dezenas de metros de altura que o artista espanhol Manolo Mesa assina com o irmão Francisco.

“Propuseram-nos esta temática, deram-nos muita documentação fotográfica - antiga e atual - e pareceu-me muito adequada", revela Manolo. "É um tipo de trabalho artesanal que se perdeu e com isto podemos realçá-lo um pouco", acrescenta Francisco.

Já o mural de Aheneah recorre a painéis de madeira aplicados sobre um muro para reproduzir um gato cujo movimento se propõe acompanhar o tráfego de pessoas na Rua Ernesto Soares dos Reis.

O animal é desenhado com recurso a uma trama de milhares de parafusos, que, apertados de forma a manterem-se alguns centímetros acima da superfície, são depois envolvidos por fios de tricot de várias cores, sempre dispostos em cruz como num bordado tradicional.


RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

Debate com candidatos ao círculo da Europa •۰ A palavra https://t.co/NNu34A5L5I
Encontro com os Candidatos às Eleiçoes Legislativas 2019 https://t.co/rYsgoU66pR
Incêndios: Proteção Civil declara alerta vermelho em 10 distritos https://t.co/SUo6nwRnfa
Follow Jornal das Comunidades on Twitter