Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Detidos em França acusados no caso dos 39 mortos em camião no Reino Unido

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

 (Lusa) – Treze pessoas detidas em França foram acusadas pelo Ministério Público no caso dos 39 migrantes vietnamitas encontrados mortos em outubro de 2019 num camião frigorífico em Essex, no Reino Unido, anunciaram hoje as autoridades de judiciais francesas.

“Os 13 suspeitos detidos em França foram acusados”, revelaram as autoridades, citadas pela AFP.

De acordo com fonte judicial, os suspeitos foram acusados de “tráfico de seres humanos em grupo organizado, integração em grupo organizado e associação criminosa”.

A mesma fonte adiantou que seis detidos estão acusados de “homicídio involuntário”.

Dos 13 acusados, 12 ficaram em prisão preventiva e um ficou sob supervisão judicial.  

Detidas em França, na terça-feira, as pessoas são suspeitas de fazer parte de uma organização criminosa que, nos últimos meses, abrigou e transportou dezenas de imigrantes do sudeste da Ásia, principalmente do Vietname, de acordo com o Ministério Público de Paris.

Na ocasião, 26 pessoas foram detidas na Bélgica e em França no âmbito da investigação ao caso dos 39 migrantes vietnamitas encontrados mortos em outubro num camião frigorífico em Essex, no Reino Unido.

Os corpos dos 39 imigrantes - 31 homens e oito mulheres - foram descobertos por serviços de emergência numa propriedade industrial na cidade de Grays, no condado de Essex, em 23 de outubro do ano passado, logo após o veículo chegar do porto belga de Zeebrugge.

A autópsia determinou que a causa de morte foi a “falta de oxigénio” e o “sobreaquecimento num espaço fechado”.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

 


RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

Fogo amigo https://t.co/KnFr3eju8C
Covid-19: Quarentena de equipas inglesas é decisão dos governos - UEFA https://t.co/E7x4v4S9xI
Covid-19: Luxemburgo pede a imigrantes lusófonos que "permaneçam vigilantes" https://t.co/H7rR0jdlKD
Follow Jornal das Comunidades on Twitter