domingo, 26 junho 2022

Dinamite

Jun. 21, 2022 Hits:45 Opinião

UM NOVO DEUS (Crónica)

Jun. 21, 2022 Hits:88 Crónicas

A cidade desperta

Jun. 15, 2022 Hits:175 Crónicas

Quantos dias tem a semana

Jun. 05, 2022 Hits:366 Crónicas

Aventuras (Crónica)

Jun. 02, 2022 Hits:164 Crónicas

A Outra Cena da Filosofia

maio 30, 2022 Hits:170 Crónicas

Na terra dos gnomos

maio 30, 2022 Hits:517 Crónicas

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:429 Opinião

Do Dia da Europa aos desa…

maio 25, 2022 Hits:100 Opinião

Entretenimento

  1. Entrevista
  2. LusoPodcast
  3. Foto do Mês
  4. Lifestyle

Governo tem sensibilizado TAP para a importância das comunidades no estrangeiro - Cafôfo





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas disse hoje, em Luanda, que o Governo tem sensibilizado a administração da TAP para a importância dos países com comunidades portuguesas ou com fortes ligações a Portugal, encontrando “recetividade” junto da empresa.

Paulo Cafôfo, que falava no final de uma visita à Escola Portuguesa de Luanda (EPL), na reta final da sua deslocação a Angola, respondia à Lusa sobre as queixas de portugueses em Luanda quanto à falta de ligações diretas ao Porto para onde viaja, com frequência, parte significativa da comunidade residente em Angola.

Existem atualmente várias ligações aéreas entre Luanda e Lisboa, com a entrada recente de novos ‘players’ como a espanhola Ibéria, mas por enquanto nem a portuguesa TAP nem a angolana TAAG retomaram os voos para o Porto, como acontecia antes da pandemia.

O governante português disse que ainda esta semana esteve reunido com a presidente-executiva da TAP, que manifestou “uma grande preocupação” no que diz respeito a servir os países que têm comunidades portuguesas, bem como aqueles com os quais Portugal mantém relações privilegiadas.

“A questão é vermos, em termos de crescimento, aquilo que é possível fazer dentro do contexto em que a TAP está e há opções que são da própria administração, e não do Governo”, acrescentou Paulo Cafôfo.

O secretário de Estado lembrou que a TAP está neste momento num processo de restruturação para garantir as condições de viabilidade e sustentabilidade da empresa.

“O que o Governo português pode fazer - e foi o que fiz esta semana – é sensibilizar a administração da TAP para a importância não só das comunidades portuguesas, mas também dos países com que Portugal tem fortes ligações, como é o caso de Angola”, reforçou, insistindo que encontrou por parte da TAP uma grande recetividade para o que foi transmitido.

“Este é um trabalho que se tem de continuar a fazer, garantindo que não se cometem loucuras. A TAP tem de ter um rigor muito grande na reestruturação do ponto de vista financeiro, mas o que pude testemunhar é que há uma grande sensibilidade para estas questões”, destacou.

O secretário de Estado salientou o desejo de reforçar a relação “excelente” que existe atualmente entre os dois governos, tendo sido abordadas nesta deslocação de dois dias questões relacionadas com o funcionamento do consulado geral de Luanda, com o intuito de introduzir melhorias de modo a prestar “um melhor serviço”.

Segundo disse, as melhorias terão reflexos imediatos no que diz respeito à emissão dos vistos e cartão do cidadão, graças ao reforço do número de funcionários, já no final do mês, e introdução de meios tecnológicos que possibilitem uma melhor acessibilidade aos serviços do consulado, a partir de 25 de junho.

“Estamos comprometidos com o bom funcionamento para que a concessão de vistos ou de atos consultares possam ser feitas com eficácia”, realçou Paulo Cafôfo.

O governante destacou ainda a Escola Portuguesa de Luanda (a maior, fora do território nacional) como outro dos focos da visita, considerando que se trata de um estabelecimento de ensino “exemplar”, também resultante do investimento de Portugal na educação.

Sobre os conflitos relativos à cooperativa que geria a EPL, que culminaram em setembro do ano passado com o Estado português a assumir, “de forma transitória”, a gestão direta da Escola Portuguesa de Luanda, afirma que foi tomada a opção correta.

“Aquilo que tem sido esta curta experiência tem sido positiva, aquilo que queremos é que a qualidade do ensino se mantenha e o que me parece é que esta opção está correta”, referiu.

“Assistimos a um ano letivo normal e aquilo que desejamos é que possa continuar, que esta gestão continue a ser do Estado português. Isso é o que pretendemos para os próximos anos”, afirmou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 1060 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia