Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Meu caro Jorge,

Não chego a convence-me que nos deixaste para sempre, esmagado por um eléctrico louco e cego que não pôde parar, quando tropeçaste naquela maldita pedra saliente de um passeio irregular como há tantos em Bruxelas.
Aquilo que mais me dói é que morreste precisamente meia hora depois de teres deixado os teus amigos que tu próprio designaste por cantinheiros. Tudo nos passa pela cabeça e até um pouco de culpabilidade invade o nosso espírito. Por que é não insistimos para contares mais uma anedota - o tempo do eléctrico ter passado? Por que é não te demos um abraço de despedida mais demorado? Por que é que… por que é que... E por que é que aquela maldita pedra te espreitou com a foice certeira da morte, deixando-nos estonteados, estarrecidos, órfãos para sempre de ti, nosso amigo Jorge?
Eras o grande conversador e animador dos nossos encontros! Tinhas sempre uma opinião nos mais diversos domínios: político, social, histórico, religioso e, claro, gastronómico. Sempre uma palavra avisada, sempre um esclarecimento apropriado, sempre uma informação instrutiva.

Era no restaurante O Cantinho da Cidade que se reuniam os amigos do Jorge e os amantes do bacalhau das famosas quintas-feiras. Pouco depois de teres integrado um grupo de reformados que almoçava para os lados do Midi, fizeste a proposta de nos enviar cada semana uma página sobre a Pesca do Bacalhau - a Faina Maior, com documentação exaustiva, ditada pelo teu exigente carácter.

E já estávamos habituado ao costumeiro ritual. Depois de o Zé Campos lançar a convocatória na terça- feira, de manhã, eras o primeiro a responder pronto, desejoso de estar presente, e não faltavas com o teu folhetim em formato PDF, cuja leitura nos abria o apetite para saborear o fiel amigo, mas sobretudo para termos o gostoso prazer de estarmos mais uma vez juntos. Na semana do teu trágico acidente, tinhas-nos enviado o episódio n° 70 que pensavas seria o último. Agora incumbe-nos certamente a responsabilidade da sua publicação, juntamente com a Corinne, a tua simpática mulher.

Saboreavas as palavras como saboreavas a cozinha portuguesa com cariz de tradição. Investigavas a história das palavras como questionavas a origem de cada receita e sabias dizer quais eram as autênticas e as que a Maria de Lurdes Modesto não tinha respeitado os cânones dos saberes ancestrais.
Muito a Bélgica aprendeu contigo a amar a gastronomia portuguesa e, por isso, a amar Portugal. Conhecendo a sensualidade brugueliana dos belgas, o teu livro – La Cuisine Portugaise de Tradition Populaire, despertou a curiosidade des connaisseurs deste país que não imaginava a riqueza das nossas raízes culinárias e contribuiu para nos sentirmos mais orgulhosos das nossas origens lusitanas.



Eras um homem inteligente e culto. Era um prazer ouvir-te falar sobre a influência da religião na panóplia da culinária portuguesa, sobre as relações entre a Bélgica e Portugal, sobre os judeus portugueses que se estabeleceram em Antuérpia e Amesterdão, sem falar na tua última grande paixão pela história da pesca do bacalhau.

Antifascista de quatro costados, lutaste, ainda jovem, pela democracia em Portugal. A PIDE não te perdoou, e enviou-te para o Forte de Peniche e depois para a 1a. Companhia Disciplinar de Penamacor, de onde desertaste em circunstâncias rocambolescas, atravessando a nado o rio Caia, para poderes sair de Portugal, vindo a integrar, na Bélgica, os teus companheiros de luta antifascista.
Tinhas já agendada para os finais deste ano a comemoração dos 50 anos dos refugiados políticos na Bélgica e pediste a alguns de nós textos sobre a experiência de refugiado neste país.
Outros projectos povoavam a tua imaginação. O teu dinamismo, a tua clarividência e o teu optimismo sobre a vida espantava-nos.

Muitas coisas haveria ainda para dizer. Outros irão certamente completar a tua memória, e está-se proibido de dizer que não há palavras para exprimir a nossa mágoa porque o Jorge era um homem que gostava das palavras, não fosse ele um linguista exímio.

Há pessoas que nos vão fazer falta para continuarmos a viver no nosso RAM-RAM de 2017. Uma delas és tu, amigo Jorge! Boa viagem pelas tuas numerosas paixões!

                            Joaquim Tenreira Martins
Bruxelas 04 de Janeiro de 2017


O ÚLTIMO ADEUS AO JORGE SERÁ AMANHÃ, dia 05 de Janeiro, pelas 10h30
no crematório de Uccle, rue du Silence


57 Avenue du Silence
Uccle, Bruxelles.
Belgique ,1180

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.