Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

No decurso da presente legislatura, o Governo tem aprovado em sede de Conselho de Ministros um conjunto significativo de medidas direcionadas às Comunidades Portuguesas, que têm procurado por um lado, modernizar e otimizar a rede consular, e por outro lado, estreitar e cimentar as relações entre Portugal e a sua Diáspora.

Enquadram-se nesta linha de ação política, onde tem assumido papel de destaque o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, a entrada em funcionamento do “Espaço do Cidadão”, em Paris e em São Paulo, consulados onde são realizados anualmente cerca de 400 mil atos consulares; a app “Registo Viajante”, já descarregada por cerca de 10 mil pessoas; a criação da plataforma de ensino da língua portuguesa à distância, denominada “Português Mais Perto”, numa parceria entre o Instituto Camões e a Porto Editora; o recenseamento automático dos portugueses residentes no estrangeiro; e a alteração da lei da nacionalidade que pode ser atribuída a netos de portugueses nascidos no estrangeiro.

É na esteira dessas medidas, que se enquadra o ato de inscrição única consular, uma recente experiência-piloto que o Governo lançou no Consulado Geral de Portugal em Barcelona, e que tem como principal objetivo facilitar a realização de atos consulares dos emigrantes e reduzir redundâncias dos registos. Com este projeto, que o Governo quer estender a todos os postos consulares até 2019, os emigrantes passam a ter de se inscrever nos consulados das regiões para onde emigraram apenas uma vez, deixando de ter de fazer novas inscrições sempre que mudam de morada, como acontece atualmente.

Revendo-me naturalmente na prossecução deste conjunto de medidas empreendidas pelo Governo, dado o explícito reconhecimento e importância que as mesmas conferem às Comunidades Portuguesas, não posso deixar de reiterar a necessidade imperiosa das mesmas serem acompanhadas a curto e médio prazo de outras medidas de maior envolvência e participação política dos portugueses residentes no estrangeiro.

esse conjunto de decisões para as Comunidades Portugueses, que o Governo tem que assumir definitivamente com frontalidade e determinação politica, encontram-se a introdução do voto eletrónico para os emigrantes, e o aumento do número de deputados eleitos pelos círculos da emigração, decisões políticas que são fundamentais para reforçar a igualdade entre os portugueses residentes no país e os que vivem no estrangeiro.



Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.