Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

No decurso do mês de março, a imprensa nacional e lusófona destacou nas páginas dos seus órgãos de informação, a aprovação de uma moção setorial subscrita pelo deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco, na Comissão Nacional do PS, que aponta para a criação de um Museu Nacional da História da Emigração. Assim como, para a introdução da História da Emigração Portuguesa nos currículos escolares numa abordagem para vá para além das referências às remessas e aos fluxos de saídas para o estrangeiro.

Trata-se de uma proposta meritória do deputado Paulo Pisco, com a qual as comunidades portuguesas, em particular, seguramente se identificam e não deixarão de aspirar que essa sua velha ambição faça caminho até às esferas da decisão política do Governo.

Sendo o fenómeno migratório uma constante estrutural da história portuguesa, a existência de um espaço que valorize o conhecimento das migrações na diáspora portuguesa é um imperativo nacional, com enormes potencialidades culturais e turísticas. Em abono da verdade, esse projeto e missão encontra-se plasmado desde 2001 no Museu das Migrações e das Comunidades, sediado no concelho de Fafe e criado por iniciativa municipal, no âmbito de relevantes trabalhos dos investigadores Miguel Monteiro e Maria Beatriz Rocha-Trindade, mas que nunca teve o devido reconhecimento dos governos portugueses.

Assim, porque não aproveitar o pioneirismo do Museu das Migrações e das Comunidades para a concretização do desígnio de um Museu Nacional da História da Emigração? Tanto que, por princípios de coesão territorial e identidade histórica, a fundação deste museu tem sentido num território indelevelmente marcado pelo fenómeno da emigração, e não, por exemplo, na capital portuguesa.

No que concerne à introdução da História da Emigração Portuguesa nos currículos escolares, também aqui estou em consonância com o deputado Paulo Pisco. Atualmente esse ensino resume-se a limitadas referências ao longo do sistema educativo, pelo que a sua introdução, como propõe o mesmo, dignificaria “a emigração portuguesa que ainda é vista com estigma e preconceito pela sociedade e pelas instituições”.

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.