domingo, 26 junho 2022

Dinamite

Jun. 21, 2022 Hits:45 Opinião

UM NOVO DEUS (Crónica)

Jun. 21, 2022 Hits:88 Crónicas

A cidade desperta

Jun. 15, 2022 Hits:175 Crónicas

Quantos dias tem a semana

Jun. 05, 2022 Hits:366 Crónicas

Aventuras (Crónica)

Jun. 02, 2022 Hits:164 Crónicas

A Outra Cena da Filosofia

maio 30, 2022 Hits:170 Crónicas

Na terra dos gnomos

maio 30, 2022 Hits:517 Crónicas

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:429 Opinião

Do Dia da Europa aos desa…

maio 25, 2022 Hits:100 Opinião

Putin que pariu a Comunidade Internacional (II)





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


As limitações de espaço, fizeram com que não tivesse escrito tudo o que pretendia no artigo anterior. Daí voltar ao tema. Desta guerra sobressaem alguns factos vergonhosos que gostava de expor.

O primeiro é que não percebo o papel das organizações internacionais que abandonaram a Ucrânia à sua sorte.  A primeira questão que me ocorre é a seguinte: onde anda a ONU? O que tem feito, para além de discursos de circunstância? Já deveria ter, pelo menos, expulsado a Rússia do Conselho de Segurança, tal como foi solicitado pela Ucrânia.

É que para além de não ser expulsa, ainda se dá ao luxo de gozar com isto tudo ao vetar as resoluções do Conselho de Segurança que condenam a invasão Russa da Ucrânia.

Já deveria, por outro lado, ter dito que uma intervenção militar pode ser levada a cabo em defesa da Ucrânia, caso a ONU respeite o artigo 51 da Carta das Nações Unidas “que defende o direito de legítima defesa individual ou colectiva no caso de ocorrer um ataque armado contra um Membro das Nações Unidas, até que o Conselho de Segurança tenha tomado as medidas necessárias para a manutenção da paz e da segurança internacionais”. Para quem possa andar mais distraído refira-se que a Ucrânia é membro fundador da ONU, da qual faz parte desde 1945.

A NATO é outra organização internacional desaparecida. Como disse no artigo anterior, há por aí intelectualidade que defende que a NATO não pode intervir, porque a Ucrânia não faz parte da NATO. Intelectualidade não rima com coerência, porque se assim fosse não diziam tal coisa.

 Se a memória não me atraiçoa quando, no final dos anos 90 do século passado, a NATO decidiu intervir no Conflito do Kosovo, este também não fazia, nem faz, parte da NATO. Este caso foi o primeiro conflito internacional em que a comunidade internacional abandonou o Direito Internacional, abrindo-se, assim, o precedente da razoabilidade contra o Direito nas intervenções militares que se seguiram ao Kosovo: Afeganistão e Iraque, ambos casos “resolvidos” sem o consentimento das Nações Unidas. A questão é: que negociatas obscuras impedem a NATO de, ao abrigo do precedente da razoabilidade, ir em defesa da Ucrânia?

Quanto à Europa, como disse, há muito que perdeu a sua essência, a sua razão de ser. Para além de não ser auto-suficiente em áreas onde deveria ser, não soube igualmente diversificar o risco, no que aos fornecedores diz respeito. Dois erros estratégicos de uma organização.

Mas, para além disso, nunca quis olhar com olhos de ver para a questão da segurança europeia, daí nunca ter avançado para a criação de um exército europeu. Ouve-se muito, por aí, que não é possível, porque os Estados-Membros não estão dispostos a dar mais dinheiro.

 Lamento informar, mas a segurança, tal como a democracia, tal como a liberdade, tem custos. E ao não ter um exército próprio, passa pela humilhação de a Rússia ameaçar países da União Europeia, e a Europa ficar calada. Infelizmente, a Europa é hoje um anão com pés de barro. Por exemplo, poderia já ter admitido a Ucrânia como país candidato à adesão da União Europeia. Mas nem inteligência para isso tem.

Fica na memória um patriotismo extremo do povo Ucraniano e um Presidente da Ucrânia - Volodymyr Zelensky - perdoem-me a expressão, mas com eles bem no sítio. Ao contrário de outros, não se esconde nem foge. Fica, de pedra e cal, ao lado do seu povo e é ele que dá a cara pelo seu país. O Povo Ucraniano e o seu Presidente mereciam muito mais da Comunidade Internacional. 

Luso.eu - Jornal das comunidades
Fernando Vaz Das Neves
Author: Fernando Vaz Das NevesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1448 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia