domingo, 26 junho 2022

Dinamite

Jun. 21, 2022 Hits:45 Opinião

UM NOVO DEUS (Crónica)

Jun. 21, 2022 Hits:88 Crónicas

A cidade desperta

Jun. 15, 2022 Hits:175 Crónicas

Quantos dias tem a semana

Jun. 05, 2022 Hits:366 Crónicas

Aventuras (Crónica)

Jun. 02, 2022 Hits:164 Crónicas

A Outra Cena da Filosofia

maio 30, 2022 Hits:170 Crónicas

Na terra dos gnomos

maio 30, 2022 Hits:517 Crónicas

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:429 Opinião

Do Dia da Europa aos desa…

maio 25, 2022 Hits:100 Opinião

O Futuro é a Europa





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


As crises recentes que enfrentámos enquanto coletivo - das migrações, da pandemia, e da mais recente agressão russa à Ucrânia - vieram reafirmar (mesmo para os mais distraídos) que no contexto mundial atual em que somos colocados perante desafios complexos, e ameaças mundiais de natureza transnacional, qualquer resposta ao nível do tradicional Estado-Nação será insuficiente, para não dizer insignificante. Neste contexto, a cooperação entre Estados e a partilha de políticas comuns ou supranacionais reveste-se de uma particular importância, sendo uma ferramenta imprescindível no contexto atual, quer para proteger os interesses do coletivo, quer para defender os interesses do Estado-Nação.

Apesar das críticas apontadas ao projeto europeu, nenhum crítico (ou cético) consegue negar um facto inquestionável: a UE foi o garante da paz, estabilidade e democracia entre países que historicamente travaram várias guerras regionais e duas mundiais. A natureza da UE assenta numa lógica de negociação e diálogo permanentes que permitem apaziguar tensões, construir respostas comuns que possam resolver as preocupações e interesses, por vezes, divergentes e assim chegar a compromissos que possam ser satisfatórios para o interesse coletivo, e para os interesses nacionais.

Esta negociação permanente tem tendência a tornar os processos de decisão lentos. Muitos apontam esta lentidão como o calcanhar de Aquiles do projeto Europeu.

Num mundo em mutação constante e rápida, a Europa só poderá pesar politicamente neste xadrez mundial instável, se for capaz de tomar decisões em tempo útil, sem perder tempo em imbróglios técnicos e burocráticos.

Para que tal aconteça, a Europa (tal como outras instituições multilaterais) terá de rever os seus métodos de funcionamento, tornando as tomadas de decisão mais céleres aproveitando o potencial ainda existente no Tratado de Lisboa ou, em alguns casos, abrindo uma discussão sobre uma possível - mas difícil - reforma dos tratados. Este não será um processo fácil e dependerá do eterno equilíbrio europeu entre soberania nacional e soberania supranacional.

Se quiser defender os seus interesses e responder às expetativas dos cidadãos, a Europa só poderá seguir um caminho: reformar-se,  fortalecer a sua autonomia e assumir, por inteiro, o seu potencial político e económico.

Luso.eu - Jornal das comunidades
André Costa
Author: André CostaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1098 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia