Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
terça-feira, 19 janeiro 2021

Nós contra os Outros



No seu último livro editado em 2018, Madeleine Albright, antiga Secretária de Estado Americana, afirmava que “ao ficarmos dececionados com a falta de mudança, remetemo-nos ao cinismo e a seguir começamos a pensar se haverá uma forma mais rápida, mais fácil e menos democrática de satisfazer os nossos desejos”. Se há algo que os movimentos populistas perceberam desde cedo é que o descontentamento e frustração dos cidadãos perante certos problemas seria fonte primária de mobilização e capitalização de apoio e, por conseguinte, de votos aquando de eleições.

Não é menos verdade que a mutação rápida das nossas economias, da transformação das nossas sociedades à aceleração dos desafios perante os quais somos colocados, muito à boleia da intensificação do fenómeno da globalização, gerou em várias camadas da população uma frustração crescente e insatisfação perante a falta de respostas aos seus problemas, motivada, em parte, por uma aparente fragilização das instituições políticas e, com ela, um certo recuo do conceito de soberania.

Como a História já nos mostrou em vários momentos, as crises económicas e as suas profundas consequências em matéria de agravamento das desigualdades conferem, muitas vezes, a movimentos políticos e apolíticos uma base ideal para a difusão das suas ideias e recrutamento de apoiantes que nutrem uma crescente desconfiança pelas instituições democráticas tradicionais desafiando, até, alguns dos princípios e valores que constituem o próprio conceito de democracia representativa.

Importa notar que a recente crise financeira de 2008, as desastradas respostas políticas dadas à crise económica que se seguiu e as profundas consequências sociais daí originadas ajudaram muito certamente ao florescimento e reforço de muitos dos movimentos políticos populistas tanto na Europa como no EUA.

Se há dois traços comuns que unem os vários movimentos populistas deste século – muito inspirados, claro está, nos terríveis exemplos históricos do século XX – estes assentam frequentemente em duas premissas: a procura e identificação constante de novos inimigos (chama-se a atenção para esta pequena subtileza: inimigos e não adversários); e o questionamento contínuo das instituições democráticas e da legitimidade da democracia representativa. Se a identificação de inimigos permite encontrar os supostos responsáveis pelo “estado das coisas”, funcionando com um conjunto alargado de bodes expiatórios para todos os problemas – geralmente minorias e até meios de comunicação; o questionamento das supostas “elites políticas” e do funcionamento das instituições democráticas permite fechar o círculo retórico dos populistas cuja intenção é a de criar um confronto constante entre “Nós” e “Eles”, isto é, entre o “Povo e o seu Líder” e os restantes vistos como “traidores”.

Em paralelo, a batalha pela comunicação on e offline através da difusão das chamadas “fake news”, da criação de portais noticiosos online ancorados nas mais impressionantes teorias de conspiração, à partilha viral nas redes sociais de conteúdos manipulados e por vezes violentos têm sido veículos essenciais para promoção de um ambiente tóxico. A opinião pública é deste modo colocada perante um conjunto alargado de estímulos em que a verdade e a mentira se confundem propositadamente, aprofundando o clima de desconfiança, trazendo enormes dificuldades ao esforço de comunicação de Governos e minando no médio prazo as bases do contrato social que permitiu construir o nosso modelo de Estado de bem-estar e as instituições democráticas recentes.

Perante isto, tanto as  nossas instituições democráticas, como representantes políticos e a sociedade civil, em geral, têm a responsabilidade de trabalhar em conjunto, lançando as reformas necessárias para modernizar e qualificar as nossas democracias, evidenciando esforças para lutar contra as desigualdades e melhorando a comunicação e transparência da ação pública: este será um esforço determinante para restabelecer a confiança tão necessária para a garantir o desenvolvimento inclusivo e harmonioso das nossas sociedades.

No seu recente livro de memórias, o Presidente Barack Obama afirmava que o que o motivou inicialmente no seu governo foi “acreditar que a ideia radical da política pudesse ter menos a ver com poder e posição e mais com comunidade e ligação”. Ora aqui está uma bela fonte de inspiração para o árduo trabalho que nos aguarda nos próximos tempos.

Luso.eu - Jornal das comunidades
André Costa
Author: André CostaWebsite: https://www.luso.euEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Colunista
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
André Costa nasceu em Paris, mas tem as suas raízes sedimentadas no vale do Douro, em Peso da Régua. É licenciado em Relações Internacionais e mestre em Marketing e Gestão Estratégica pela Universidade do Minho. Há cinco anos em Bruxelas, desempenha atualmente funções no Parlamento Europeu.
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

TEMOS NO SITE

Temos 295 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Não existem eventos no calendário
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

Se você viu, o seu cliente também verá!