quinta-feira, 26 maio 2022

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:45 Opinião

Serafim Saudade

maio 22, 2022 Hits:65 Opinião

A Sabedoria e o Escrito

maio 18, 2022 Hits:107 Crónicas

Como se houvesse amanhã

maio 15, 2022 Hits:122 Crónicas

PCP (Partido Cumplicement…

maio 09, 2022 Hits:224 Opinião

Dia Mundial da Língua Po…

maio 05, 2022 Hits:338 Opinião

Vereadores da Coligação…

maio 04, 2022 Hits:1106 Opinião

Um domingo qualquer

maio 01, 2022 Hits:223 Crónicas

Portugal dos pequenitos

maio 01, 2022 Hits:206 Opinião

Marcelo: o cantamañanas





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Desde há muito tempo que sou defensor de um único mandato, de sete anos, para o Presidente da República. Este meu propósito vem da análise que faço do exercício do cargo de Presidente da República nos últimos anos. Escrutinando os últimos Presidentes da República, verificamos que o primeiro mandato nada tem a ver com o segundo, ou seja, num primeiro mandato fazem tudo para não afrontar o Governo e para ser reeleitos, trocando o supremo interesse nacional pelo seu interesse pessoal.

Foi assim com Soares, primeiro mandato simpático para com o Governo, segundo mandato de ataque cerrado ao Governo do PSD, de desgaste constante, abrindo o caminho para o PS ganhar as eleições legislativas que se aproximavam.  Sampaio foi ainda mais longe, inovando ao ponto de, no segundo mandato, ter destituído um Governo de maioria absoluta, coisa nunca antes vista. Cavaco, talvez tenha sido o mais coerente nos dois mandatos.

Agora temos Marcelo, que não fugiu à tradição dos seus antecessores. Fez um primeiro mandato de simpatia e apoio ao Governo, tudo pensado e feito, de modo a garantir tranquilamente a sua reeleição com o apoio do Partido Socialista. Pela primeira vez, em democracia, o PS não apresentou candidato próprio, às eleições presidenciais, estendendo a passadeira vermelha a Marcelo.

Claro que, agora, reeleito e não precisando mais do apoio do PS, Marcelo muda de atitude e passa ao ataque ao Governo, procurando o seu máximo desgaste.

Marcelo do segundo mandato, rapidamente se esquece das funções que desempenha e decide voltar ao terreno dos mexericos, da intriga política, terreno em que se movimenta melhor do que qualquer outro político e em que é mestre. E é assim, que ficamos a saber, pela comunicação social, que o Presidente da República se meteu no processo da escolha de Carlos Moedas como Candidato do PSD à Câmara de Lisboa.  Segundo a imprensa, “o Presidente teve conversas e fez telefonemas, mobilizando quem pôde para ajudar a o ex-Comissário Europeu a aceitar o desafio de uma candidatura à capital”. É claro, confiando na palavra do Presidente, que não foi ele que plantou a notícia na imprensa, jamais seria capaz de tal coisa…

E Marcelo, do segundo mandato, apaga, o Marcelo Professor de Direito Constitucional, e decide promulgar três decretos relativos a apoios sociais, que violam claramente a norma travão inscrita na Constituição da República Portuguesa. Mas agora isso já não interessa a Marcelo, o que lhe interessa é fazer guerrilha ao Governo, desgastar o governo no sentido de beneficiar o PSD. Todavia, Marcelo comete um erro de análise, porque este PSD, com Rui Rio, nem com estas “vichyssoises” consegue causar preocupações ao PS e a António Costa.

E pior, se Tribunal Constitucional decidir pela inconstitucionalidade das normas, Costa, hábil jogador político, aparecerá de imediato com uma solução política constitucional, que permitirá manter esses apoios, aparecendo, aos olhos de todos, como político com preocupações sociais, com rigor financeiro, defensor da legalidade, mas que não esquece os Portugueses em tempos de crise

Depois de tudo isto o que mais irrita em Marcelo é vir com aquele ar, paternalista, de superioridade em relação a todos os outros, dizer não contem com ele para crises políticas.  Não tenho dúvidas de que o que Marcelo mais ambiciona, no curto prazo, é uma verdadeira crise política, e tudo fará para que isso aconteça, de modo a ser ele a geri-la e aparecer aos olhos dos portugueses como o grande Estadista, que não é, nunca será. Como bem disse há uns anos, Manuel Maria Carrilho “Marcelo é pura gelatina política”.

 

Fernando Vaz das Neves

(Artigo escrito de acordo com a antiga ortografia)

Luso.eu - Jornal das comunidades
Fernando Vaz Das Neves
Author: Fernando Vaz Das NevesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 951 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
9
10
12
13
15
17
18
19
20
22
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia