domingo, 27 novembro 2022

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:75 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:258 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:136 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:510 Crónicas

Os sonhos adiados

Nov. 19, 2022 Hits:204 Crónicas

IXELLES – UMA VILA DESO…

Nov. 15, 2022 Hits:219 Opinião

CRIANÇA PRESA NO PENICO

Nov. 13, 2022 Hits:459 Crónicas

Duas tardes em Coja

Nov. 13, 2022 Hits:788 Apontamentos

Esta vida de hipster

Nov. 08, 2022 Hits:125 Crónicas

Ladroagem Eleitoral

Nov. 06, 2022 Hits:333 Opinião

O “Auto Suicídio” de…

Nov. 04, 2022 Hits:337 Opinião

Legislativas: Na ressaca eleitoral





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Eu, tu e o outro.

Na ressaca de um acto eleitoral nós retiramos interpretações e analisamos resultados. Espera-se que comentadores profissionais e políticos façam também eles as suas análises. Todos puxam pelo seu favorito, e os jornalistas também, e opinam, o que é eticamente reprovável. Nas redes sociais são apresentadas publicações de regozijo, mas também de gozo. Em todos os lados vencedores humilham vencidos, por vezes com uma falta de cidadania e patriotismo incomensurável. Uns são mais humilhados que outros, e o espetáculo é degradante.

Recebi um whats app, que afinal não é mais do que um tiktok, onde um jornalista supostamente do NYT tenta perceber as eleições portuguesas. Diz estar a escrever sobre os resultados e a perceber como correu.

Do lado de lá, ao telefone, alguém lhe diz que os socialistas ganharam. Envia parabéns e exclama “wow”. Pergunta se está tudo bem e se é necessário enviar tropas? E, questiona se este é um país socialista do sul da Europa, tipo Coreia do Norte, para pessoas com bigode?

Depois exclama – ah! Os socialistas não são bem socialistas, então o que são? E, repete o que lhe dizem, exclamando de seguida – “são sociais-democratas moderados”. Retorquindo pergunta – “se são sociais-democratas e não socialistas porque não se junta ao partido social-democrata que perdeu? Admirado com o que ouve, repete – “Ah os sociais-democratas não mesmo sociais-democratas, claro! Então onde os situarias?” O outro afirma serem de centro-direita. “Faz sentido”, repete mais uma vez.

Procurando tomar a conversa por sua conta, pergunta se é “social-democracia tipo, empresas estatais, estado de previdência, regulação dos mercados”.

E, volta a intervir questionando – “Eu li que os liberais estão a explodir. Os liberais eu conheço, nós também os temos. Estão sempre a papaguear na CNN, são obviamente de esquerda”, afirma. “Não? Os vossos liberais são de direita? Meu Deus. Deixa-me adivinhar, os vossos comunistas também não são comunistas? Ah. They are! Então porque estão no parlamento?”. E, acrescenta perguntando se não deviam estar a preparar a execução dos latifundiários. Aí informam-no que eles apoiaram o anterior governo socialista que não é socialista. Não faz esperar por uma observação pertinente: - “Comunas apoiam “burgeois” democracia”. E, já no final questiona sobre o que é o Chega, dizendo ter pesquisado e o resultado não foi mais do que “it’s enough”. De «subetão» vem a pergunta – “Chega de quê? De Socialismo?” e de seguida - “Mas se o partido socialista não é socialista isso não faz sentido”.

Quase a terminar a ligação, o nosso pretenso americano tem uma última questão - “há um tipo, Chicão. Eu tinha imensas esperanças nele, é um tipo super carismático, a Forbes até escreveu um artigo sobre ele, e lidera o Partido Popular, que é um partido que é popular, aposto que teve imenso apoio, como é que correu?”. A resposta foi breve e ele repete com admiração – “Zero assentos? Olhe, ligo mais tarde, acho que vou escrever sobre a Rússia.

Se não percebemos antes, teremos de começar a perceber como nos vêm, porque, afinal, num país altamente dependente das relações e comércio externo, torna-se mais importante perceber como nos entendem, do que continuar a abordar a questão resultante dos descobrimentos portugueses.

Aquando do mundial de rugby na Africa do Sul, em 1995, no momento em que se tornava importante «casar» esta grande nação africana, segregada, Mandela quis que os outros vissem o seu país com profundidade e empenho integrativo, e para isso teve de o transformar. Durante dois anos uma equipa perdedora, composta por brancos, a que adicionaram um negro, abraçou a causa do presidente e lançou-se numa cruzada que implicou a conquista da integração e uma nova visão sobre o colectivo, sobre uma nação secularmente dividida. A áfrica do Sul foi campeã e, afinal, não foi só o resultado do jogo que ficou para a história.

Na ressaca das eleições de janeiro de 2022, sobressai um desalinhamento e falta de unidade gritante que nada contribuirá para relançar o país como uma casa e um destino de verdade, fraternidade, onde reina a paz e o trabalho produtivo. E, tal como no gag do Tiktok, aqui há um desacerto que não deixa ouvir o tiktak.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Author: Luis Costa MatosEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 915  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia