terça-feira, 07 fevereiro 2023

A lama dos dias

Fev. 02, 2023 Hits:279 Crónicas

DIGNIFICAR A AUTORIDADE

Fev. 01, 2023 Hits:130 Crónicas

Homoousios

Jan. 31, 2023 Hits:160 Crónicas

O Escorpião Marcelo

Jan. 31, 2023 Hits:107 Opinião

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:205 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:489 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1880 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:1022 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:438 Apontamentos

Isto não é um país É um Choldra





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


É normal que, na campanha eleitoral para eleições legislativas, os partidos do arco da Governação apelem à maioria absoluta. Procuram, assim, convencer o eleitorado de que com maioria absoluta, o Governo poderá fazer as reformas que o País necessita, e o País terá um Governo estável, não dependente dos humores dos outros elementos que venham a compor uma possível coligação governamental.

A teoria é esta, porem, lamentavelmente, a prática, nos últimos tempos tem demonstrado o contrário. O actual governo do Partido Socialista, a quem os Portugueses deram, inesperadamente, maioria absoluta, tem sido o cúmulo da instabilidade. Nove meses de Governo e onze demissões. Deverá ser o recorde cá do Burgo.  Casos, mais casos e mais casinhos. Nestes nove meses de governação tem valido tudo, menos governar o país e olhar pelo bem-estar dos Portugueses.  O último caso conhecido - que culminou em demissão (no momento em que escrevo este artigo), o caso Alexandra Reis, é uma enxurrada de contradições e um insulto à inteligência dos Portugueses. Não é preciso ser muito estudado para se perceber que aquilo é gato escondido com rabo de fora. Como é possível que alguém decida renunciar ao cargo na TAP (tal facto foi comunicado à CMVM, em comunicado de 4 de Fevereiro de 2022) para abraçar novos desafios profissionais, e receba uma indemnização de 500 mil euros???  E 500 mil euros porque resultou de um acordo entre as partes, uma vez que Alexandra Reis reclamava um milhão e quatrocentos mil euros.

Qualquer pessoa sabe que, quando alguém sai de um emprego, de livre e espontânea vontade, não tem direito a receber, coisa alguma, excepto, nos termos da lei, férias não gozadas, caso tenha direito a elas. Isto parece-me básico. Pelos vistos, Alexandra Reis, tinha direito a receber férias não gozadas. Mas também aqui, não bate a bota com a perdigota. Tendo ela trabalhado cerca de 14 meses, e tendo recebido 107.500 euros relativos “remunerações vencidas reclamadas, correspondentes a férias não gozadas”, contas feitas, fica-se com a ideia de que Alexandra Reis não terá gozado férias durante cerca de 4 anos, quando apenas trabalhou 14 meses!!! Depois do milagre da multiplicação das rosas, temos o milagre da multiplicação das férias. Rebenta o caso e assistimos à pandemia da amnésia. Ninguém sabia de nada. Marcelo não sabia de nada; Costa nem sonhava; Pedro Nuno Santos nunca ouviu falar de tal coisa e, Medina, à semelhança da anedota relativa à engenharia civil, responde como o “ferro”, quando interrogado em tribunal, sobre a queda da ponte: eu nem lá estava.

Claro que ninguém acredita nisso. Estas reacções, são o reflexo de quem foi apanhado na curva, e tenta, deste modo, fugir com o rabo à seringa. Marcelo, até foi mais longe, veio dizer que não via incompatibilidade alguma em Alexandra Reis ir da TAP para secretária de Estado, sendo que o problema não era esse. O problema era e é o dinheiro que recebeu. Disse-me um passarinho que o escritório liderado por Pedro Rebelo de Sousa, irmão de Marcelo, esteve com a TAP na assessoria do acordo de indemnização a Alexandra Reis. Não digam a ninguém. Fica só entre nós!!! (apesar de ser público e ninguém querer falar disso)

Atentemos nas palavras Eça de Queiroz (1888) “É extraordinário! Neste abençoado país todos os políticos têm imenso talento. (…) E resulta, portanto, este facto supracómico: um país governado com imenso talento, que é de todos na Europa, segundo o consenso unânime, o mais estupidamente governado! Eu proponho isto, a ver: que, como os talentos sempre falham, se experimentem uma vez os imbecis! (…)”.

Sigamos, pois, o seu conselho.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Fernando Vaz Das Neves
Author: Fernando Vaz Das NevesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 443  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

News Fotografia