terça-feira, 31 janeiro 2023

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:170 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:416 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1005 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:996 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:409 Apontamentos

Távora- Varosa

Jan. 13, 2023 Hits:150 Crónicas

MAESTRO

Jan. 13, 2023 Hits:185 Crónicas

Braga de traço recente

Jan. 11, 2023 Hits:911 Apontamentos

Reforma Lei Eleitoral - M…

Jan. 11, 2023 Hits:170 Opinião

Racionalidade Politicamen…

Jan. 09, 2023 Hits:198 Opinião

A caminho de Salir

Jan. 08, 2023 Hits:1013 Crónicas

Do Dia da Europa aos desafios da Europa





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


O “Dia da Europa” nasceu no Conselho Europeu de 28 e 29 de Junho de 1985 e foi celebrado pela primeira vez em 1986. No Dia da Europa, 9 de Maio, festeja-se a paz e a unidade no continente europeu. A data em questão assinala a “Declaração Schuman” de 9 de Maio de 1950, a qual destacava os valores da paz, da solidariedade, desenvolvimento económico e social, equilíbrio ambiental e regional. Apresentou uma nova forma de cooperação política na Europa, que tornaria impensável uma guerra na Europa.

 Estamos, pois, no final da IIª Guerra mundial, com a Europa a braços com 55 milhões de mortos e 8 milhões de prédios destruídos. Perante este cenário devastador, os dirigentes de 6 países europeus (França, Itália, Alemanha, Luxemburgo, Bélgica e Países Baixos), decidem criar o que hoje chamamos de União Europeia.

Estes fundadores partilhavam o mesmo ideal: uma Europa pacífica, unida e próspera. No fundo, a União Europeia nasce como um projecto de paz voltado para o bem-estar dos europeus. Estes seis fundadores, não fizeram um clube fechado, antes pelo contrário.

Ficou expressamente mencionado, desde a sua fundação, que outros países europeus poderiam solicitar, se assim o entendessem, a sua adesão a esta organização.  E foi assim que, ao longo dos anos, passamos dos 6 países fundadores para 28. Hoje 27 devido à saída, em 2020, do Reino Unido.

A União Europeia é, sem dúvida, o maior e mais profundo projecto de integração regional existente. 

Apesar disso, a Europa enfrenta, hoje, um conjunto de desafios que carecem de uma rápida resposta europeia, ainda mais perante o cenário da guerra na Ucrânia.

Um dos desafios que a Europa enfrenta, e tem de enfrentar com toda a frontalidade, é a criação de um exército único europeu. Na minha opinião, a Europa não pode continuar sem um exército europeu, que garanta a segurança e a paz ao velho continente.

Não podemos continuar a depender de terceiros para a nossa defesa e segurança. Uma das narrativas que vamos ouvindo, especialmente da parte de uma certa esquerda, é que a criação de um exército europeu acarretará custos acrescidos para os países. Certamente que sim. Mas será o preço a pagar para a nossa paz e segurança.  

Um outro desafio que a Europa enfrenta, e que também se agudizou, com esta guerra, é a questão da autossuficiência europeia.  Julgo que a Europa não pode continuar a não produzir e a preferir importar, apenas e só, porque é mais barato.

A Europa tem de apostar fortemente na produção interna, no máximo de sectores possíveis de modo a não ficarmos dependentes de terceiros. Chegará bem ficarmos dependentes de terceiros naquilo que não possuímos.

É hora de acabar com a idiotice das quotas de produção, de acabar com a proibição europeia de comercialização de produtos fora do calibre (coisa medonha que um qualquer rato de gabinete, sem qualquer conhecimento da realidade, inventou).

Não pode continuar a acontecer que apenas por estar um pouco mais torta ou ter algumas manchas, muita fruta, por exemplo, é deitada fora. Se se acabasse com a calibragem, a fruta e demais produtos abrangidos tornavam-se mais baratos e mais acessíveis aos consumidores.

E infelizmente muitos europeus passam tantas e tantas necessidades.  É, pois, hora de apostar na produção interna e REindustrializarmos verdadeiramente a Europa para tornar isso possível. O excedente que daí possa advir, o que for possível, devemos armazenar o máximo possível, para desse modo, podermos enfrentar situações futuras.

É chegado o momento de humanizar a europa, transformá-la numa organização de rosto humano, na qual as pessoas se sintam emocionalmente envolvidas, se sintam EUROPEUS.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Fernando Vaz Das Neves
Author: Fernando Vaz Das NevesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 867  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia