Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
terça-feira, 27 julho 2021

Um restaurante pode ser a sala das nossas vidas



O dia estava cinzento e pesado contrastando com a leveza e a luz com que agosto invadiu ilha. A brisa, que me tocava ao de leve, sussurrava-me ao ouvido que o verão estava a despedir-se e o outono, timidamente, a entrar em cena, em bicos dos pés.

No alto da minha varanda, enquanto espero que S.Sebastião me salve desta lassidão, lembro-me que nunca me agradou o mês de setembro. É morno. Não tem tempero. 

Ainda se sente o verão e as férias, mas ainda assim o tempo arrefeceu. Quase que parece um mês que sofre com falta de personalidade. Mas na verdade setembro obriga a recomeços. Sinto logo que estou a entrar noutro ciclo, numa espécie de advento interior. Projeto-me, em silêncio, para um ano que já vai adiantado e que daqui a nada termina.

Quando me deparei com estes pensamentos, decorrentes do meu tédio existencial, lembrei-me da pergunta que a Inês Meneses da Silva faz aos seus convidados no programa de rádio ‘Fala com Ela’ – que tanto me tem acompanhado – sobre o que é para eles um dia bom.

O meu coração, de repente, transborda e eu percebo que estás na ponta da língua sobre o que é ter um dia bom. É simplesmente escolhermos entre um dos nossos três ou quatro restaurantes preferidos, que estão escritos com tinta transparente na nossa íntima listinha que tresanda a rotina de apaixonados. 

Um dia bom é ficarmos tardes a comer, a beber e sobretudo à conversa, sem pressas, sem julgamentos. Sem mundo além de nós os dois e aquelas palavras.

Dou por mim a pensar no meio do meu labirinto interior que não há nada mais bonito no mundo do que uma conversa. Quando conversamos com verdade despimos os véus. Abrimos. Ouvimos. Damos e recebemos.

Às vezes pergunto-me se a vida cabe toda numa conversa. Ou se a conversa cabe toda na vida. Conto pelos dedos a quantidade de pessoas que gosta de conversar assim. De peito aberto. Com o olhar. Com o silêncio. De corpo inteiro.

E em fins de semana lassos ali ficamos nós. Abandonados numa mesa de um restaurante que já faz parte da jóia da nossa rotina, seja na costa norte ou sul da ilha, e podemos ir tão longe, num espaço tão exíguo, e esquecer o peso e dor de existir. Consigo até distrair-me da finitude da vida.

Depois de viajar sobre tudo isto, numa quarta-feira aleatória, volto à terra e lembro-me que tenho uma crónica por escrever, primeira por sinal. Dizem que não se esquecem.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Cláudia Caires Sousa
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 366 visitantes e 0 membros em linha

EU APOIO O Luso.eu Jornal das comunidades

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia

Se você viu, o seu cliente também verá!