terça-feira, 31 janeiro 2023

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:170 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:419 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1017 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:996 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:410 Apontamentos

Távora- Varosa

Jan. 13, 2023 Hits:150 Crónicas

MAESTRO

Jan. 13, 2023 Hits:185 Crónicas

Braga de traço recente

Jan. 11, 2023 Hits:911 Apontamentos

Reforma Lei Eleitoral - M…

Jan. 11, 2023 Hits:170 Opinião

Racionalidade Politicamen…

Jan. 09, 2023 Hits:198 Opinião

A caminho de Salir

Jan. 08, 2023 Hits:1013 Crónicas

UM CIMBALINO SE FAZ FAVOR





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


O café, bebida de aroma único, elegante e doce, de sabor e efeito estimulantes, foi adoptada por toda a classe intelectual do nosso país durante as últimas centenas de anos. À sua volta, muitas vezes envoltos em nuvens de fumo de charutos, cachimbos, cigarrilhas e cigarros, foram compostos poemas ainda hoje ditos, escritos romances ainda hoje lidos, discutidas ideias e opiniões, e tecidas conspirações.

A dada altura, apareceu uma máquina que revolucionou o seu consumo. Após uma entrada lenta e titubeante, o café expresso, como passou a ser primeiramente conhecido em contraponto ao outro café, o café de saco, tomou as rédeas do consumo até que se popularizou de tal forma, que passou a ser, ainda mais, uma bebida de todos e para todos, banalizando-se o seu uso após as refeições ou a qualquer hora do dia.

Na cidade do Porto, e por obra e graça do Sr. Porfírio, deram-lhe o nome de Cimbalino uma vez que quase todas as máquinas usadas eram da marca La Cimbali.

A partir do final dos anos 80 do século passado, o nome começou a cair em desuso. O nome Cimbalino adoece e tende a perecer devido à voragem da globalização dos termos e, quem sabe, se à concentração e colonização verbal, bem assim como à disseminação dos termos considerados “bem”, com a consequente ablação dos restantes.

Nas minhas andanças pela vida e nas minhas defesas do que é genuinamente nosso, sejam eles termos ou coisas, sejam eles da minha região ou do meu País, cheguei até a ouvir dizer, que dizer “cimbalino”, tal como outros termos característicos da minha cidade, era provinciano, separatista, regionalista no pior sentido, e que não me ficava nada bem.

Dessa forma, a venda de café à chávena na nossa cidade perderia em poucos anos o simbolismo que a diferenciava do resto do país.

Nasci para o conhecimento da vida com o Cimbalino. O nome nasceu tinha eu menos de cinco anos, e não gostaria de morrer sem o ver reabilitado.

Mais do que um regionalismo ultrapassado, pedir e beber um Cimbalino é um modo de vida que as gerações novas da nossa região não conhecem e pouco se importam com isso.

Importa pois, mudar esse estado de alma.

Conviria encetar uma campanha para restituir ao Cimbalino a estima pública, e o seu uso como marca da cidade.

Podíamos começar por frases publicitárias em Mupis espalhados pela cidade, para habituar o consumidor e para convencer os proprietários de cafés e restaurantes a mudar a nomenclatura, transferindo com isso esse convencimento às marcas da bebida.

Não sendo eu um publicitário, atrevo-me a lembrar algumas frases que poderiam servir como incentivo; “Um Cimbalino se faz favor”, “Tenha tino, peça um Cimbalino”, “Mas que desatino, vou beber um Cimbalino”; e por aí fora num chorrilho de frases publicitárias, por certo que umas mais bem conseguidas que outras, que despertassem o interesse dos nossos concidadãos.

A Câmara, as nossas Juntas de Freguesia, as nossas rádios, a nossa televisão, e os programas de outros canais de televisão feitos a partir do Porto, bem assim como os nossos escritores e comentadores, terão também uma palavra a dizer sobre o assunto, ajudando nesta campanha que tem de ser de todos nós.

Todos juntos não seremos de mais!

José Fernando Magalhães

“- Por decisão do autor, este artigo encontra-se escrito em Português, e não ao abrigo do «novo acordo ortográfico».”

Luso.eu - Jornal das comunidades
José Fernando Magalhães
Author: José Fernando MagalhãesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 992  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia