segunda-feira, 28 novembro 2022

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:535 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:261 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:141 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:515 Crónicas

Os sonhos adiados

Nov. 19, 2022 Hits:206 Crónicas

IXELLES – UMA VILA DESO…

Nov. 15, 2022 Hits:252 Opinião

CRIANÇA PRESA NO PENICO

Nov. 13, 2022 Hits:463 Crónicas

Duas tardes em Coja

Nov. 13, 2022 Hits:805 Apontamentos

Esta vida de hipster

Nov. 08, 2022 Hits:128 Crónicas

Ladroagem Eleitoral

Nov. 06, 2022 Hits:337 Opinião

O “Auto Suicídio” de…

Nov. 04, 2022 Hits:345 Opinião

Segundas-feiras do amor





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Segunda-feira. O despertador dá sinal de que é hora de voltar à rotina. Pelo menos para a maioria dos comuns mortais.

Mas para eles não era assim. Para estes dois apaixonados, esse dia marcava os ponteiros da paixão. Acordavam colados um ao outro e como eram pessoas da manhã, embora sem alarmes de que a vida já tinha começado, estavam prontos para um dia lento na doce companhia um do outro.Ele era o primeiro a levantar-se e como conseguinte fazia o café. Ela ia tomar um banho demorado a pensar na sorte que tinha em ter um amor. Nunca tinha sentido tal emoção e com a sua inquietude típica de um coração esperançoso perguntava-se se seria para sempre. Mas ao mesmo tempo, indagava-se sobre o sempre. Pelos corredores do seu íntimo pairava a dúvida.Vinicius de Moraes no seu poema “Soneto da Fidelidade” dizia que o amor é infinito enquanto dura. Todos os verdadeiros amores são eternos, pensava ela. Após este mergulho interior, fechava a torneira do pensamento e voltava à realidade. Secava-se, perfumava-se, vestia uma camisola dele, e encontrava-o normalmente abandonado no sofá. Bebia o seu café a olhá-lo com tempo, através da cozinha.“Não vens para aqui?”, dizia ele com uma voz meiga, trémula, a acusar uma saudade de 20 minutos de ausência do calor e da ternura dela.Ela dava dois passos urgentes e afundava-se no sofá com ele. Passavam a manhã a ver filmes, sem deslocar os corpos um do outro. Haviam segundas-feiras em que ele, cozinheiro exímio e orgulhoso dos seus dotes, preparava o almoço. Tinham gostos idênticos e como tal era fácil agradá-la no que toca ao cardápio. Ela era uma mulher de prazeres simples, e pouco exigente. Valorizava apenas a companhia e a autenticidade dos pequenos momentos.Por vezes decidiam almoçar fora e aproveitar o sossego dos restaurantes nos dias de semana. Camacha, Machico, ou Campanário normalmente era o destino daquelas duas almas errantes. Mas logo após o almoço, regra geral, voltavam ao casulo, para a intimidade dos braços um do outro, no silêncio em que só se ouve a linguagem do amor. Ela sonhava com a metamorfose deste sentimento que poderia ter as asas e a cor de uma linda borboleta. Haruki Murakami, escritor japonês, escreveu que o tempo só parece parar quando se está na cama com a pessoa amada. Lembrava-se desta frase quando o olhava nos olhos. Embarcava numa viagem de mochila às costas à boleia da dúvida: será para sempre?O facto é que hoje é segunda-feira e ela foi trabalhar. E ele diz-lhe, ainda na cama:“Agora já não há as segundas-feiras do amor! E ela cogitava... “o amor não tem dia de semana”.  Ali se erguiam muros altos, tão altos, entre eles. Embora próximos, com o corpo quente ao lado um do outro, abateu-se um frio desolador. O verão da paixão rapidamente deu lugar ao inverno da solidão. Afinal de contas, o aquecimento global também atinge os corações, pensou ela. Mas não lhe disse o que pensava. Arrumou as palavras nos armários do espírito. “O coração tem razões que a própria razão desconhece”, dizia Camões.Foi tomar banho para se preparar para a vida que seguia. Enquanto a água lhe corria pelo corpo, refletiu e esboçou um sorriso triste. Depois de se vestir, tinha um café à sua espera. Vi-o no sofá e lembrou-se novamente de Vinícius de Moraes:“E assim, quando mais tarde me procure/Quem sabe a morte, angústia de quem vive/quem sabe a solidão, fim de quem ama/ eu possa me dizer do amor (que tive) que não seja imortal, posto que é chama/mas que seja infinito enquanto dure”.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Author: Cláudia Caires SousaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 443  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
30
31

News Fotografia