segunda-feira, 28 novembro 2022

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:293 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:261 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:139 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:513 Crónicas

Os sonhos adiados

Nov. 19, 2022 Hits:206 Crónicas

IXELLES – UMA VILA DESO…

Nov. 15, 2022 Hits:252 Opinião

CRIANÇA PRESA NO PENICO

Nov. 13, 2022 Hits:463 Crónicas

Duas tardes em Coja

Nov. 13, 2022 Hits:796 Apontamentos

Esta vida de hipster

Nov. 08, 2022 Hits:127 Crónicas

Ladroagem Eleitoral

Nov. 06, 2022 Hits:337 Opinião

O “Auto Suicídio” de…

Nov. 04, 2022 Hits:342 Opinião

Primavera 2022





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Entra hoje a nova estação.  Chegou a Primavera.

Pobre e triste Primavera, a deste ano.

O mundo ensandeceu. 

As pessoas perderam o pouco da empatia e preocupação que ainda lhes restava. Mais depressa e facilmente atuam em prol de gatos ou cães ou cavalos ou touros, ou do ambiente, do que das pessoas. 

Só se atua por reflexo e para ficar bem na fotografia. Percentualmente são residuais quantos atuam por genuína preocupação com o seu semelhante, e o fazem anonimamente. As redes sociais, as reportagens das televisões, as parangonas dos jornais, são chamarizes muito apelativos para fazer propaganda a empresas, a grupos ou a pessoas carentes de atenção. Ao menos que isso sirva para que façam algo de bom, mas é uma tristeza e uma vergonha que só o façam por essas razões. 

E há ainda os mandantes dos países, incluindo o meu, que só fazem o muito pouco que fazem, por pressão das redes sociais e da propaganda que existe à volta desta guerra. É lamentável e vergonhoso!

Claro que há muita gente boa. Ainda há, Graças a Deus! Muita gente boa que tudo deixa para ajudar quem precisa. E são essas pessoas boas que me seguram, e me fazem não ter ainda perdido toda a esperança na humanidade.

Estamos em guerra! Não só na Ucrânia, mas em todo o mundo. Nuns lugares, com combates mais acirrados do que noutros, mas em guerra generalizada.

No nosso caso, só falamos da Ucrânia.  E falamos bem. 

Se todas as guerras são injustas, esta é tão ou mais injusta que outras, porque nos toca, mexe connosco, vemos as imagens e o sofrimento das pessoas, todo o dia, a todas as horas. E conhecemos o execrável mandante, que ordena matanças com o ar mais seráfico que se possa imaginar.

São já três milhões de deslocados nesta guerra. Muitos países, incluindo o meu, recebem e acolhem muitos deles, e os mais que aí virão. Mas, até ver, são ainda muito poucos, os que Portugal acolhe, se os compararmos com os números totais. Mas como dizia o poeta Galego, “O Caminho Faz-se Caminhando”. 

Façamos pois, um bom caminho, cheio de solidariedade, amor pelo próximo, e esperança em dias melhores.

Por decisão do autor, este artigo encontra-se escrito em Português, e não ao abrigo do «novo acordo ortográfico».

Luso.eu - Jornal das comunidades
José Fernando Magalhães
Author: José Fernando MagalhãesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 774  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia