Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades Portuguesas - Política vs Politiquice
sexta-feira, 01 março 2024

PROMESSAS ELEITORAIS

Mar. 01, 2024 Hits:110 Opinião

CANDIDATOS DO PS NA FEIRA…

Fev. 29, 2024 Hits:439 Opinião

Não cedamos à facilidad…

Fev. 29, 2024 Hits:347 Opinião

Quero ser uma árvore

Fev. 24, 2024 Hits:664 Crónicas

Morre Navalny mas não a …

Fev. 24, 2024 Hits:204 Opinião

COMPETÊNCIA CÍVICA

Fev. 15, 2024 Hits:382 Crónicas

UNIVERSITAS

Fev. 14, 2024 Hits:294 Crónicas

CIDADÃO DECISOR

Fev. 10, 2024 Hits:258 Crónicas

Desconsideração políti…

Fev. 09, 2024 Hits:640 Opinião

Haja diferenças!

Fev. 07, 2024 Hits:326 Opinião

O Homem: um ser limitado

Fev. 06, 2024 Hits:305 Crónicas

O BANCO NOVO

Fev. 06, 2024 Hits:436 Crónicas

Entre a Esperança e a In…

Fev. 04, 2024 Hits:250 Opinião

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Fev. 04, 2024 Hits:370 Crónicas

Política vs Politiquice





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor!


Aproximando-nos a passos largos das eleições legislativas regionais, é evidente que nos encontramos já em pré-campanha eleitoral. Num período marcado por um distanciamento necessário para evitar a disseminação da Covid-19, o recurso à imagem e à mensagem rápida estará, naturalmente, mais presente. Sem colocar em causa a importância da influência do marketing político que caracteriza de forma cada vez mais evidente as campanhas partidárias, não podemos deixar de nos determos sobre o conteúdo das respetivas mensagens. Neste reside a diferenciação entre a campanha ser marcada pelo exercício da Política, na aceção da palavra como ato nobre de persuadir a população para a capacidade de condução do seu destino, ou da politiquice, forma muitas vezes ordinária de conduzir um debate essencialmente marcado pela estratégia de defesa/ataque partidário e pessoal.

Perante a necessidade de recurso à mensagem rápida, poderemos facilmente cair no exercício da politiquice, que não deixa de constituir a única estratégia possível perante a falta de substância, ou quando se pretende, simplesmente, desviar as atenções de uma discussão inconveniente. Sem meias palavras, é, obviamente, o que está, por exemplo, por detrás das alusões ao PSD/Açores dos tempos anteriores a 1996. Decorridos mais de 24 anos, em que o Mundo mudou substancialmente, esta associação que, pasme-se, continua a ser recorrente, apenas evidencia imobilismo político que já nem é capaz de utilizar um argumento dos tempos correntes para atacar um adversário político. Argumentos desta natureza apenas afastam o eleitor das urnas, que não se revê no ataque imediatista.

No sentido inverso, a mensagem será tão mais eficaz quanto efetivamente percecionada pelo destinatário, sendo que apenas funciona como estímulo quando efetivamente associada a uma correlação. A título exemplificativo, utilizando o mote de campanha do PS/Açores, que se antecipou na apresentação nesta campanha eleitoral, de pouco serve o mote “P´rá frente é que é caminho” quando se desconhece de que “caminho” se trata. No limite, se à frente se encontrar um abismo, certamente a população preferirá dar um outro passo.

A fazer tábua-rasa dos substanciais problemas estruturais que a Região enfrenta, o PS corre o risco de continuar a perder eleitorado. Já do lado do PSD/Açores, a realidade é que não tem sido capaz de capitalizar esses votos, pelo que o desafio que se lhe coloca é o de transmitir ao Povo a confiança de que é o Partido que apresenta o melhor projeto para que o “p´rá frente” constitua evolução. Não é tarefa fácil, quando se defronta com uma máquina oleada pelo exercício do poder, mas é precisamente do lado da capacitação da resolução dos desafios regionais que se encontra a viabilidade de sucesso. Para conseguir cativar o voto dos cerca de 60% de abstencionistas das últimas eleições regionais, o PSD/Açores terá de apresentar de que forma pretende capitalizar a Região e as empresas regionais, qual o critério de atribuição dos subsídios europeus, qual a estratégia de crescimento económico, como potenciar o desenvolvimento social. Terá, por isso, de apresentar um projeto político, lutando contra a politiquice.  

Luso.eu - Jornal das comunidades
Author: Sofia Heleno RibeiroEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor



Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades
Partilhe o nosso conteúdo!

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

A nossa newsletter

Jornal das Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 277  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

Top News Embaixada

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
30
31

News Fotografia

 
 
0
Partilhas
0
Partilhas