terça-feira, 31 janeiro 2023

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:170 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:418 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1010 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:996 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:409 Apontamentos

Távora- Varosa

Jan. 13, 2023 Hits:150 Crónicas

MAESTRO

Jan. 13, 2023 Hits:185 Crónicas

Braga de traço recente

Jan. 11, 2023 Hits:911 Apontamentos

Reforma Lei Eleitoral - M…

Jan. 11, 2023 Hits:170 Opinião

Racionalidade Politicamen…

Jan. 09, 2023 Hits:198 Opinião

A caminho de Salir

Jan. 08, 2023 Hits:1013 Crónicas

Meses atrás, este processo esteve na moda, sem deixar, contudo, de ser chocante. Normalmente, estes jovens autoimoladores assumiam deste modo uma posição de protesto contra qualquer coisa de importante: normalmente situações extremas de injustiça, guerras, atentados à liberdade individual ou colectiva. O caso de Vitré, contudo, ultrapassa a capacidade normal de reacção: as organizações sindicalistas francesas apontam a direcção da empresa onde o jovem trabalhava como responsável pelo suicídio.

Tratava-se de uma direção «paternalista» e «feudal», segundo a notícia publicada em «Syndicalisme»: o dono é adjunto do presidente municipal, por acaso uma viscondessa.

Na fábrica trabalhavam quatro jovens guedelhudos, facto intolerável para as «pessoas de bem» de uma terra provinciana. Pasquet pretendeu convencê-los a cortar o cabelo para proporções «decentes», indo até coacção familiar e ameaças de despedimento.

Os operários consultaram as organizações sindicais: haveria protesto legal para serem despedidos por tal motivo? A inspeção do trabalho estudou o problema e confirmou que um eventual despedimento era ilegal.

A direcção de Pasquet, todavia, manteve as suas pressões. Três dos jovens aguentaram-se. O quarto cedeu. O facto assumiu para ele uma importância considerável, tendo a impressão de haver traído os camaradas. Num gesto de desespero, imolou-se pelo fogo dentro da empresa onde trabalhava.

Houve uma tentativa de opor um muro de silêncio ao acontecimento. Os jornais da região deram a notícia em poucas linhas. Mas o drama deixou as suas marcas. Por questão de boas maneiras, uma delegação patronal acompanhou o enterro. Foi nomeada uma comissão de operários, para o mesmo efeito. Os sindicatos também estiveram representados. A publicação a que atrás nos referimos, concluía deste modo os seus comentários ao triste acontecimento: «É escandaloso que uma autoridade patronal possa ainda exercer-se de maneira tão discricionária e que semelhantes atentados à liberdade e à dignidade continuem a verificar-se».

M/R página quatro, 16 de Outubro de 1970, Diário de Lisboa
Fonte:
http://casacomum.org/cc/visualizador?pasta=06805.155.25125#!24
Luso.eu - Jornal das comunidades
Joao Pires
Author: Joao PiresEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1002  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia