quinta-feira, 06 outubro 2022

O AMOR DE MÃE É ETERNO

Out. 04, 2022 Hits:74 Crónicas

INSULTUOSO – CORROMPIDO…

Out. 01, 2022 Hits:246 Opinião

Então Paris como é?

Set. 28, 2022 Hits:49 Crónicas

Desliguei a internet

Set. 26, 2022 Hits:73 Crónicas

OS TEMPOS DAS CIDADES

Set. 19, 2022 Hits:117 Crónicas

Quem vai pagar impostos?

Set. 19, 2022 Hits:112 Opinião

Os robots não devem paga…

Set. 18, 2022 Hits:245 Opinião

Paternalismo

Set. 14, 2022 Hits:95 Crónicas

Meses atrás, este processo esteve na moda, sem deixar, contudo, de ser chocante. Normalmente, estes jovens autoimoladores assumiam deste modo uma posição de protesto contra qualquer coisa de importante: normalmente situações extremas de injustiça, guerras, atentados à liberdade individual ou colectiva. O caso de Vitré, contudo, ultrapassa a capacidade normal de reacção: as organizações sindicalistas francesas apontam a direcção da empresa onde o jovem trabalhava como responsável pelo suicídio.

Tratava-se de uma direção «paternalista» e «feudal», segundo a notícia publicada em «Syndicalisme»: o dono é adjunto do presidente municipal, por acaso uma viscondessa.

Na fábrica trabalhavam quatro jovens guedelhudos, facto intolerável para as «pessoas de bem» de uma terra provinciana. Pasquet pretendeu convencê-los a cortar o cabelo para proporções «decentes», indo até coacção familiar e ameaças de despedimento.

Os operários consultaram as organizações sindicais: haveria protesto legal para serem despedidos por tal motivo? A inspeção do trabalho estudou o problema e confirmou que um eventual despedimento era ilegal.

A direcção de Pasquet, todavia, manteve as suas pressões. Três dos jovens aguentaram-se. O quarto cedeu. O facto assumiu para ele uma importância considerável, tendo a impressão de haver traído os camaradas. Num gesto de desespero, imolou-se pelo fogo dentro da empresa onde trabalhava.

Houve uma tentativa de opor um muro de silêncio ao acontecimento. Os jornais da região deram a notícia em poucas linhas. Mas o drama deixou as suas marcas. Por questão de boas maneiras, uma delegação patronal acompanhou o enterro. Foi nomeada uma comissão de operários, para o mesmo efeito. Os sindicatos também estiveram representados. A publicação a que atrás nos referimos, concluía deste modo os seus comentários ao triste acontecimento: «É escandaloso que uma autoridade patronal possa ainda exercer-se de maneira tão discricionária e que semelhantes atentados à liberdade e à dignidade continuem a verificar-se».

M/R página quatro, 16 de Outubro de 1970, Diário de Lisboa
Fonte:
http://casacomum.org/cc/visualizador?pasta=06805.155.25125#!24
Luso.eu - Jornal das comunidades
Joao Pires
Author: Joao PiresEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1602 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia