Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades Portuguesas - Os sonhos adiados
quinta-feira, 30 novembro 2023

O viciante negócio das a…

Nov. 30, 2023 Hits:269 Opinião

Em Loulé

Nov. 29, 2023 Hits:367 Apontamentos

FERREIRA DO ZÊZERE

Nov. 27, 2023 Hits:416 Crónicas

Portugal: António Costa…

Nov. 22, 2023 Hits:273 Opinião

Em Faro

Nov. 22, 2023 Hits:1299 Apontamentos

TERRA MORNA

Nov. 21, 2023 Hits:622 Crónicas

LENDA DO RIO LIMA

Nov. 20, 2023 Hits:61 Crónicas

Um Conselho de Amigo

Nov. 18, 2023 Hits:899 Opinião

ENSEADA DE CRISTAL

Nov. 13, 2023 Hits:577 Crónicas

A instabilidade crónica …

Nov. 08, 2023 Hits:179 Opinião

HÁ VIDA NOS MUSEUS

Nov. 08, 2023 Hits:406 Crónicas

Os sonhos adiados





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor!


4 minutos de leitura

Um dos desejos que foram sendo sufocados ao longo de décadas foi andar de mota. 

Mas as duas curtas experiências que tive no passado não correram muito bem.

A primeira foi no parque de campismo, num caminho em terra marcado por rugas escavadas por pequenos cursos de água, que eram conduzidos pela ribanceira cheia de arbustos até ao rio, lá ao fundo. O terreno era irregular e qualquer bicicleta ou mota andaria aos saltos.

Depois de passear à boleia com o meu amigo pelas redondezas do parque natural, chegou o momento. Ele convidou-me para experimentar a 125.

Eu que estava habituado ao equilíbrio da bicicleta, não me fiz rogado, esquecendo que o lugar dos travões era diferente e que ainda havia que engrenar as mudanças com o pé esquerdo.

Lá me sentei na mota, ele disse-me para apertar a manete esquerda e pressionar para baixo com o pé esquerdo o pedal das mudanças. 

“Agora largas devagarinho a manete esquerda e aceleras só um pouquinho.”

Apesar de tudo ter começado em “inho”, a história acabou em “ão”, porque dei um trambolhão dois metros à frente. Sorte de não cair ao rio, apesar de me ter esfolado na anca esquerda sobre terra com aquelas pequenas pedrinhas que se entranham na pele. Tive trabalhos para o resto da tarde. Tirar pedrinha por pedrinha da carne. 

“Então?” perguntou ele.

“Estou bem” respondi tentando transparecer alguma tranquilidade.

A segunda e última experiência ocorreu no norte de África com uma scooter alugada. Daquela vez era eu que transportava alguém comigo. Viajamos em grupo do hotel até à cidade. Mais tarde descobri que o homem que havia alugado as scooters tinha vindo no nosso encalço para ver o nosso comportamento com as suas meninas. Apesar da viagem ter corrido sem percalços, senti-me desolado, pois ele havia apontado o dedo para mim e feito declaração pública, em tom acusatório: “Ele conduz mal”.

Depois daqueles dois episódios tentei esquecer aquela vontade de aprender a sério a andar de mota.

Durante a nossa vida existem acontecimentos marcantes que nos convidam a repensar a nossa existência. Sejam experiências individuais, como uma doença que nos atira para uma cama de hospital, ou fenómenos coletivos como o caso da pandemia. Esses são momentos que nos arrancam obrigatoriamente da rotina, da casa-trabalho, de casa-escola ou outros e nos forçam a repensar a vida. Muita gente mudou de vida e eu apenas quis aprender a andar de mota.

Muito mais tarde, quase a completar 4 décadas de licença de condução de veículos ligeiros de passageiros, sou confrontado com a questão, de uma forma inesperada. Desta vez foi o meu filho: “Quero uma mota” pediu.

Pensei, pensei. Não gostei que os meus pais me tivessem dado um incontornável não quando tinha a idade dele. Mas também não queria que ele tivesse uma mota sem qualquer tipo de aprendizagem. 

Não sei como é por aí, mas em Portugal é permitido conduzir motas de 125 de cilindrada, com potência não superior a 11 kw (15 cv), a quem tem a carta de condução B, para veículos ligeiros de passageiros.

Mais uma vez, não tinha vontade de cortar aquela vontade ao meu filho, mas queria que ele aprendesse a circular na estrada, primeiro com carro. Nas aulas de condução em veículo ligeiro de passageiros pode aperceber-se das vicissitudes do trânsito e mais tarde poderia seguir para as aulas de mota.

Depois de eu andar na estrada sentado num carro e de conduzir de forma mais prudente à medida que a idade nos dá mais maturidade, andar de mota torna-se ainda mais especial mas também mais consciente. Era esse o meu entendimento sobre motas.

Não sei como é por aí, mas em Portugal parece haver mais respeito com os ciclistas. Andar de moto continua a exigir ainda mais atenção e foco.

Por último, nunca foi sensato ver filas de carros em direção à cidade apenas com um ocupante: o condutor. Trata-se de um desperdício de combustível e de tempo nas filas de trânsito, o que é desgastante, caro e mais poluente. A mota pode ser uma boa alternativa aos carros e pode coexistir com as bicicletas e com os transportes públicos que um dia virão a ser totalmente gratuitos como forma de atrair mais passageiros, poupar o ambiente e enfrentar as ameaças climáticas.

Talvez este seja um sonho quase a tornar-se realidade, fora do tempo. Provavelmente será melhor ideia conduzir uma mota elétrica, nos tempos que correm. 

Deixa aqui nos comentários qual é a tua experiência com as motas. Tens mota? Para passeio ou para deslocação para o trabalho? Nunca andaste de mota?

Este artigo foi escrito por um ser humano ao sabor dos seus pensamentos, com as suas dúvidas e erros, sem recurso à inteligência artificial, porque com emoção sabe melhor!

Tá a andar de mota!

Luso.eu - Jornal das comunidades
Joao Pires
Author: Joao PiresEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos



Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades
Partilhe o nosso conteúdo!

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

A nossa newsletter

Jornal das Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 247  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

Top News Embaixada

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

News Fotografia

 
 
0
Partilhas
0
Partilhas