sexta-feira, 19 agosto 2022

Férias em Portugal

Ago. 19, 2022 Hits:16 Opinião

(ENGIE)nharia jurídica

Ago. 13, 2022 Hits:69 Opinião

O REI DOS CATALISADORES (…

Ago. 09, 2022 Hits:140 Opinião

A IGREJA QUE NÃO ACREDIT…

Ago. 08, 2022 Hits:432 Opinião

Consequências do Dever

Ago. 08, 2022 Hits:159 Crónicas

A Sombra e as Árvores

Ago. 07, 2022 Hits:296 Crónicas

Pai rico, Pai pobre

Ago. 04, 2022 Hits:248 Crónicas

DA LEITURA

Ago. 02, 2022 Hits:105 Crónicas

Enquanto o pau vai e vem

Jul. 31, 2022 Hits:110 Crónicas

"O NATAL É QUANDO UM HOMEM QUISER" ARY DOS SANTOS





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


"Tu que dormes à noite na calçada do relento

Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento

Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento

És meu irmão amigo

És meu irmão". 

Assisti, no sábado passado, ao espetáculo dado por Fernando Tordo na Casa das Artes em Arcos de Valdevez.

O tema era a poesia de José Carlos Ary dos Santos, num ambiente intimista com muito humor. Valeu e recomendo.

E porque estamos no Natal, para quem não sabe, a frase "O Natal é sempre que um homem quiser" é do versátil, irreverente e irrequieto Ary dos Santos e está num dos seus poemas.

Esta frase aparece em muitas publicidades e curiosamente, Ary era publicitário. 

Ary dos Santos foi um militante incomodo do Partido Comunista por ser homossexual.

A sua poesia foi influenciada pelo poeta russo Mayakovsky que, tal como Ary, não queria que se culpasse ninguém pela sua morte e apenas queria desejar felicidades para quem cá fica. 

Como já referi, Ary ganhava a vida como publicitário mas a sua vocação maior foi resistir à ditadura de Salazar, através de poemas, alguns dos quais foram cantados no festival da canção e até venceram, tais como "Desfolhada" e "Tourada".

Foi um escritor precoce e editou o seu primeiro livro com apenas quinze anos: "Asas".

Ary nasceu no seio de uma família abastada da alta burguesia lisboeta. Perdeu a mãe quando ainda era criança. O irmão suicidou-se com 18 anos e o pai voltou a casar. Muitos encontram aqui a explicação para a sua opção sexual, com recurso a Freud, Foucault e até mesmo à ideia de belo segundo a Grécia Antiga.

Apesar das suas confortáveis origens, Ary lutou incessantemente pela defesa dos mais desprotegidos e a única coisa que pedia em troca era ser amado.

Bebia e fumava compulsivamente e morreu aos 46 anos em 1984. 

No espectáculo/concerto de Fernando Tordo, cantou-se Ary, contou-se histórias de vida do Ary, do Tordo e do Carlos do Carmo.

Entre cada canção, Fernando Tordo, lembrou como Ary fez da cantiga uma arma, sempre na defesa da liberdade e da sua filha, a democracia.

"A liberdade não está garantida, é uma luta diária sobre a qual não podemos adormecer", sublinhou Tordo.

 

No final do concerto, em conversa com Fernando Tordo, quando lhe comprava um livro, perguntei-lhe de que tinha morrido Ary dos Santos. Fernando Tordo disse-me que tinha sido de cirrose.

Então, pedi-lhe para escrever na dedicatória do livro, o seguinte:

"Para o Damião, que disse que o meu amigo Ary morreu de ternura".

Fernando Tordo escreveu, assinou e sorriu. 

E porque o Natal é uma época em que nos lembramos dos mais desfavorecidos, também convém recordar aqueles que mesmo tendo nascido num berço de ouro, sempre pensaram e lutaram por quem mais precisou, independentemente das consequências para a sua integridade física e intelectual. E, isso aconteceu com Ary, que sofreu com a repressão da ditadura e de três preconceitos. Ser comunista, ter assumido a sua homossexualidade e fazer poemas cantados, algo visto como menor ao nível da produção poética e política.

No fundo, Ary pensou mais nos outros que em si.  

Não sendo do povo, pensou no povo e foi, como o próprio dizia, "O poeta do povo". 

Ary deu-nos uma prenda de Natal, em Abril de 74, a liberdade. 

"Natal é em Dezembro

Mas em Maio pode ser

Natal é em Setembro

É quando um homem quiser".

Peguemos nas palavras do Ary e em nome daqueles que "Inventam brinquedos e ternura para dar, bonecas e comboios de luar e mentem aos filhos por os não poder comprar", façamos com que o Natal seja todos os dias. 

Um bom Natal, "És meu irmão, és meu irmão"!

Luso.eu - Jornal das comunidades
Damião Cunha Velho
Author: Damião Cunha VelhoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 654 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia