quinta-feira, 29 setembro 2022

Então Paris como é?

Set. 28, 2022 Hits:21 Crónicas

Desliguei a internet

Set. 26, 2022 Hits:62 Crónicas

OS TEMPOS DAS CIDADES

Set. 19, 2022 Hits:105 Crónicas

Quem vai pagar impostos?

Set. 19, 2022 Hits:94 Opinião

Os robots não devem paga…

Set. 18, 2022 Hits:232 Opinião

Paternalismo

Set. 14, 2022 Hits:87 Crónicas

A BICICLETA DOS ANJOS

Set. 12, 2022 Hits:75 Crónicas

UM CIMBALINO SE FAZ FAVOR

Set. 10, 2022 Hits:339 Crónicas

O aroma do café no ar

Set. 05, 2022 Hits:87 Crónicas

O MEU PRIMEIRO LIVRO (crónica)





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Lembro-me do meu primeiro livro … ALI-BABÁ E OS QUARENTA LADRÕES, um livro que continua comigo. Quando parti de Portugal o livro veio comigo. Trata-se de um livro que guardo com muito carinho, pois foi o meu irmão mais velho que um dia chegou com tão bela surpresa para mim. Como fiquei feliz, porque pela primeira vez tinha um livro meu. Quando chegava da escola corria muitas vezes para o quarto para ler o meu livro.

Tantas vezes discuti com a minha irmã, pois ela queria a luz apagada para dormir e eu queria a luz acesa para ler o livro durante a noite. Ela ganhava sempre porque dividíamos o mesmo quarto e a mesma cama. Havia sempre problemas quando chegava a hora de deitar porque tínhamos que dividir exactamente ao meio a cama e o cobertor para as duas, assim ficávamos com partes iguais.

Muitas vezes durante a noite o cobertor deslocava-se para o lado dela e não ficava como o tinha colocado para dividir a cama. Ela dizia que eu tinha a parte maior da cama, eu respondia que era ela que ocupava mais da metade da cama. A minha mãe tinha que intervir a meio do sono para acalmar os ânimos.

Vinha sempre dizer: “não vos quero ouvir”, assim é a nossa mãe. Quando ela saía do nosso quarto e lá regressávamos à mesma discussão. Por vezes a minha irmã argumentava que era mais velha: “eu nasci primeiro que tu, por isso tenho mais direitos”.

Hoje rimos muitas vezes ao recordar como fazíamos para dividir a cama. Mas tenho mais dois irmãos. Passava-se o mesmo no quarto deles, nunca estavam de acordo.

Quando o meu pai estava, nós ficávamos em silêncio, mas em noites de ausência, a minha mãe tinha sempre o mesmo problema. Tinha que ir aos quartos e pedia silêncio para dormir.

“Não vos quero ouvir mais”. Por vezes, ela distribuía umas bofetadas para nos acalmarmos. Aí sim, ficávamos em silêncio. Muitas vezes dizia: “Amanhã vou dormir em casa da avó” e assim fazia. A minha avó tinha dois pequenos quartos, mas durante o jantar, à luz do petróleo, ela contava umas histórias de arrepiar. Eu já nem conseguia dormir sozinha. Perguntava: “Avó, posso dormir na sua cama?”

Ela respondia: “Não querias uma cama só para ti?”

Eu devolvia: “Já não vou dormir na sua cama. Durmo sozinha.”, mas durante a noite com o medo das histórias que ela me tinha contado, deixava-a adormecer e depois ia para a cama dela. A minha irmã fazia a mesma coisa. Também dormia com a minha avó. 

Que ideia tinha a minha avó de nos contar histórias que metiam medo.

Eu acho que ela queria fazer compreender que o nosso quarto e a nossa cama chegavam para as duas. Havia noites que os meus dois irmãos de tanto saltar na cama, caía o chão, pois eram camas de ferro. 
Como eu ria com a minha irmã, porque eles tinham que montar as barras de ferro da cama e aquilo levava horas. 

Uma noite, os meus dois irmãos perguntaram à minha mãe porque as nossas irmãs têm uma cama maior e um quarto com uma janela virada para o jardim. A resposta da minha mãe foi a seguinte: “Os pais assim decidiram e não há mais discussão.” 
Assim que a minha mãe saiu, nós as duas provocavamos: “O quarto é nosso. Vós também têm um. Nós, as raparigas temos mais coisas.” Parece que ainda os sinto a sorrir. 

“Muitas coisas tendes vós no quarto: uma cama e uma mala perto da janela”.

Afinal tínhamos quartos iguais.

Hoje não nos podemos queixar do tamanho dos quartos, só que noutro país.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Rosa Pereira
Author: Rosa PereiraEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 879 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

News Fotografia