Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades Portuguesas - O AMOR PELA LEITURA, OU A FALTA DELE
sexta-feira, 01 março 2024

CANDIDATOS DO PS NA FEIRA…

Fev. 29, 2024 Hits:164 Opinião

Não cedamos à facilidad…

Fev. 29, 2024 Hits:309 Opinião

Quero ser uma árvore

Fev. 24, 2024 Hits:657 Crónicas

Morre Navalny mas não a …

Fev. 24, 2024 Hits:201 Opinião

COMPETÊNCIA CÍVICA

Fev. 15, 2024 Hits:376 Crónicas

UNIVERSITAS

Fev. 14, 2024 Hits:290 Crónicas

CIDADÃO DECISOR

Fev. 10, 2024 Hits:253 Crónicas

Desconsideração políti…

Fev. 09, 2024 Hits:637 Opinião

Haja diferenças!

Fev. 07, 2024 Hits:319 Opinião

O Homem: um ser limitado

Fev. 06, 2024 Hits:297 Crónicas

O BANCO NOVO

Fev. 06, 2024 Hits:430 Crónicas

Entre a Esperança e a In…

Fev. 04, 2024 Hits:246 Opinião

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Fev. 04, 2024 Hits:365 Crónicas

O AMOR PELA LEITURA, OU A FALTA DELE





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor!


É verdadeiramente deplorável constatar que os jovens, e também muitos dos menos jovens, estão cada vez menos interessados em ler livros. Em vez disso, dedicam o tempo a ler mensagens de texto, vulgo “sms” (“text”), e livros de banda desenhada (“Manga”). Quando têm de ler alguma obra literária, a impaciência leva-os a ler resumos, necessariamente incompletos e sem qualidade, e se possível, resumos de resumos. Se houver um filme curto sobre a obra, nem isso fazem. Com o problema acrescido de que eles (resumos e filmes) existem, são publicados e acessíveis a qualquer estudante de qualquer grau de ensino, e não há legislação que o impeça.

A impaciência é uma característica marcante destas novas gerações, e o frenesim que ela lhes provoca, fá-los viver zangados e profundamente decepcionados com a sua própria existência e com um estado social que não lhes proporciona a confiança socioeconómica de que tanto precisam.

Com este estado de espírito, dificilmente alguém se consegue entregar à leitura de uma forma credível. Há muito ruído e confusão nos pensamentos, e para que alguém alcance a capacidade de ler e apreender o que lê, necessita ter silêncio (mental e da opinião alheia); à sua volta e na sua mente. Precisa de eliminar a música alta, desligar a televisão e o rádio, colocar o telemóvel em silêncio, e de ter privacidade e solitude, uma vez que sem estas, não há o mínimo de concentração.

Tal como na vida, a leitura requer a capacidade de viver e conviver com o silêncio, e com a solitude, mas muitos de nós, em especial os mais novos, dificilmente estão dispostos a fazê-lo. O silêncio provoca medo a quem não sabe lidar com ele, e as pessoas evitam-no, e dos momentos de solidão, os jovens e os menos jovens fogem dela como se fora peçonha. E assim, o desejo de estar em quietude tornou-se um luxo, uma raridade e, como dizem as gerações mais recentes, é “cringe”.

Verificar a existência desta mudança cultural, desta falta de apreço pelos livros e pela leitura profunda, é triste e, até, angustiante. Todavia, é essencial lembrar que nem todos os jovens se incluem nessa corrente. Há aqueles que ainda valorizam a experiência singular de se deixarem perder nas páginas de um livro, utilizando a visão, o tacto e o olfacto, alargando horizontes, alimentando a mente com narrativas e pensamentos enriquecedores, embrenhando-se na sabedoria, absorvendo conhecimento, emoções e diferentes pontos de vista.

Poderemos, ainda, encontrar maneiras de recriar nas pessoas o amor pela leitura, ajustando-nos aos novos formatos e canais de comunicação, mas sem desperdiçar a essência e a faculdade transformadora dos livros? No limite, a literatura é uma das melhores expressões da criatividade e do saber e uma nascente ilimitada de ideias, é uma das facetas que a humanidade traz desde tempos imemoriais, enriquecendo as nossas vidas e facultando um juízo mais abrangente do mundo em que vivemos.

Mas, apesar da leitura ser uma preciosidade que merece ser valorizada e preservada, seja de que forma for, o amor ao livro físico, ao papel e à capacidade de o poder folhear e cheirar, é, para mim, um catalisador essencial!

 

 

            José Fernando Magalhães

“- Por decisão do autor, este artigo encontra-se escrito em Português, e não ao abrigo do «novo acordo ortográfico».”

Luso.eu - Jornal das comunidades
José Fernando Magalhães
Author: José Fernando MagalhãesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos



Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades
Partilhe o nosso conteúdo!

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

A nossa newsletter

Jornal das Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 463  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

Top News Embaixada

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

 
 
0
Partilhas
0
Partilhas