terça-feira, 07 fevereiro 2023

A lama dos dias

Fev. 02, 2023 Hits:279 Crónicas

DIGNIFICAR A AUTORIDADE

Fev. 01, 2023 Hits:130 Crónicas

Homoousios

Jan. 31, 2023 Hits:160 Crónicas

O Escorpião Marcelo

Jan. 31, 2023 Hits:107 Opinião

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:205 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:488 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1879 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:1022 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:438 Apontamentos

NO DEALBAR DE UM NOVO ANO





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Nos últimos dois meses dediquei-me quase exclusivamente aos meus versos, em detrimento das Conversas em Surdina, das Crónicas, das Fotografias, dos Contos, etc.

Acontece-me de vez em quando o dedicar-me em exclusivo a uma matéria, deixando as outras para trás. É assim. Parafraseando o senhor que diz que manda nisto tudo, habituem-se!

Durante este tempo, não esqueci as matérias que fui deixando no estado de dormência, já que as ideias para trabalhos nessas áreas foram aparecendo e ficaram armazenadas em várias das gavetas da minha memória.

Voltarei em breve ao registo habitual, sem exclusividade para nenhuma das minhas áreas habituais.

Acabaram-se as Festas, pelo que estará na hora de fazer um balanço do Ano que passou e projectar o de 2023 com as mudanças necessárias para emendar o que correu mal e melhorar todo o resto.

Com os desejos de um Novo Ano proveitoso e com saúde para todos, deixo-vos os últimos versos que escrevi em 2022

AO CAIR DO PANO 

Quem és tu que seguras esse chicote na mão?

Mandas o que não podes

Só serves o teu patrão.

Não pode servir um país

Quem não tem patriotismo nem moralidade,

E o que mais temos no Quintal,

São mandantes sem capacidade.

O povo

Cuspiu no Estado Novo

Fez-se livre, aceitou uma migalha

E elegeu esta canalha.

Quem és tu que seguras esse chicote na mão?

A corrupção era a excepção

Agora a corrupção é padrão

 

Não existem vidas banais

De fio a pavio, somos todos iguais

Ética é inegociável

Não a ter, é impensável

Melhor do que ser conhecido,

Ou poder vir a ser nosso amigo,

É ser

Quem vale a pena conhecer

E quem nos tem governado

Sem ética e sem sentido de Estado

É gente que não devemos ter.

 

Quem és tu que seguras na mão esse chicote?

Tenhamos força para te lanhar o cangote, 

Ao cair do pano, 

No dealbar de um novo ano.

 

A corrupção era a excepção

Agora em Portugal é padrão

Luso.eu - Jornal das comunidades
José Fernando Magalhães
Author: José Fernando MagalhãesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 596  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

News Fotografia