Joana é uma influencer nas redes sociais (crónica)





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Abandonou a escola mais cedo para se dedicar a tempo inteiro às redes sociais. Depois vieram as parcerias remuneradas em produtos de maquilhagem. A vida estava a correr bem pois tinha milhares de seguidores e as marcas de produtos de beleza pagavam-lhe bem para ela anunciar ou simplesmente usar os produtos desde que fizesse uma breve referência. 

As mensagens não paravam de chegar. Estava a tornar-se cada vez mais popular e isso estimulava-a a chegar cada vez mais longe. A fazer fotos mais ousadas e provocadoras. 

A sua sobrinha tinha 14 anos e era a sua mais fiel seguidora. Admirava-a da cabeça aos pés. Tinha orgulho na sua tia e na projecção nas redes sociais. Sentia que a sua tia poderia chegar longe, alcançar a fama de alguma forma, mas o que mais importava é que a rapariguinha tinha orgulho na sua tia e queria ser como ela. 

A sua mãe estava deveras preocupada com a obsessão da sua filha. A rapariguinha sonhava de dia e noite em ser tornar influenciadora nas redes sociais e anunciar cosméticos, roupa e calçado. Talvez nem precisasse de voltar à escola. Oh, como ela odiava a escola e aquelas aulas inúteis.

Se ao menos houvesse umas aulas de maquilhagem ou de desfile. Isso é que era. 

Joana continuava a fazer furor nas redes sociais e ganhava bem. Tão bem quanto o seu irmão mais velho que havia concluído os estudos e tinha uma profissão pacata e com rendimento certo. Mas Joana provou à sua família que poderia ser muito bem o que elaquisesse. Ela gostava do que fazia e isso notava-se nas fotos e nos pequenos vídeos que publicava regularmente.

A sua sobrinha continuava deslumbrada e insistia na vontade em seguir Joana. A sua mãe padecia de medo do abandono escolar. Até foi à escola falar com os professores, mas aqueles mostraram-se impotentes face à vontade da rapariguinha fútil. Talvez aquela vontade em seguir a tia pudesse ser transformada numa conversa útil e motivadora para a rapariguinha de 14 anos. Mas nada parecia ajudar. 

Joana sabia bem que não podia voltar atrás. Estava refém da sua própria decisão em abraçar uma carreira que começava a perceber que teria os dias contados. À medida que fosse envelhecendo teria que desenvolver novas habilidades, porque as marcas de cosméticos iriam optar por outras influencers. Talvez tivesse que regressar à escola ou fosse trabalhar para o restaurante mais próximo.

A rapariguinha nunca se aperceber de tal encruzilhada, pois apenas via o sucesso da sua tia. Por obra do universo, não abandonou a escola e tornou-se jornalista. 

23-05-2022

O autor produziu este artigo, da sua responsabilidade, para os leitores do jornal online LUSO.EU. Escreve de acordo com as regras ortográficas anteriores ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990.

João Pires

Luso.eu - Jornal das comunidades
Joao Pires
Author: Joao PiresEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!