terça-feira, 31 janeiro 2023

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:171 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:420 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1022 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:996 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:410 Apontamentos

Távora- Varosa

Jan. 13, 2023 Hits:150 Crónicas

MAESTRO

Jan. 13, 2023 Hits:185 Crónicas

Braga de traço recente

Jan. 11, 2023 Hits:911 Apontamentos

Reforma Lei Eleitoral - M…

Jan. 11, 2023 Hits:170 Opinião

Racionalidade Politicamen…

Jan. 09, 2023 Hits:198 Opinião

A caminho de Salir

Jan. 08, 2023 Hits:1013 Crónicas

HÁBITOS DE ACREDITAR E CONFIAR





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Há já algum tempo que me habituei a, nos meus pensamentos diários introspectivos, acreditar e confiar. Hábitos que se constroem e que passam a fazer parte de nós. São, no entanto, processos em contínua construção, sem interrupções ou abrandamentos.

Sempre que me sinto nos lugares certos, com os sentimentos certos, com as ideias certas, penso no quanto acredito que tudo vai correr bem e no quanto confio que tudo vai ser como eu desejo.

Pensar em coisas boas faz com que eu me sinta realmente mais feliz. E sentindo-me mais feliz, sinto que tudo é mais fácil.

Com o meu regresso aos sentimentos de quando era criança, que sempre tornaram tudo possível, enchendo a minha cabeça com os meus melhores pensamentos, fazendo desaparecer as angústias existenciais, as depressões mais ou menos profundas, sendo dessa maneira eficazes na aproximação à felicidade, só preciso acreditar e confiar.

Acreditar que é possível atingir o que anseio e confiar em mim para que se concretize.

E o hábito de assim pensar passou aos poucos a fazer parte de mim, mas não me chegava para que me sentisse realmente bem. Era preciso sentir-me grato pelo que conseguia, ou corria o risco de querer mais e mais e nunca me satisfazer.

E aos poucos passei a agradecer o que conseguia. Dirigido a nada ou ninguém, agradecia simplesmente a felicidade de ter conseguido, com o meu esforço e perseverança, atingir os meus objectivos, por mais simples que eles fossem. Objectivos intelectuais, amorosos, físicos, económicos, o que fosse.

E, calmamente, tenho passado a ser um homem cada vez mais feliz e realizado!

Luso.eu - Jornal das comunidades
José Fernando Magalhães
Author: José Fernando MagalhãesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1262  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia