Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades Portuguesas - Eternamente só
quinta-feira, 22 fevereiro 2024

COMPETÊNCIA CÍVICA

Fev. 15, 2024 Hits:306 Crónicas

UNIVERSITAS

Fev. 14, 2024 Hits:232 Crónicas

CIDADÃO DECISOR

Fev. 10, 2024 Hits:196 Crónicas

Desconsideração políti…

Fev. 09, 2024 Hits:590 Opinião

Haja diferenças!

Fev. 07, 2024 Hits:274 Opinião

O Homem: um ser limitado

Fev. 06, 2024 Hits:230 Crónicas

O BANCO NOVO

Fev. 06, 2024 Hits:370 Crónicas

Entre a Esperança e a In…

Fev. 04, 2024 Hits:201 Opinião

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Fev. 04, 2024 Hits:323 Crónicas

«Tentar definir a minha …

Jan. 30, 2024 Hits:1447 Crónicas

Tudo na vida muda - até …

Jan. 28, 2024 Hits:282 Opinião

Eternamente só





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor!


Para um relacionamento feliz é preciso abdicar ou mais vale só.

3 minutos de leitura

«Mais vale só, que mal-acompanhado», diz o ditado.

Desde há duas décadas, com o desenvolvimento da internet e o crescimento das redes sociais, se passou a dar mais importância ao «eu». Prova disso são os auto-retratos com o telemóvel e tanta coisa publicada em nome próprio. O que eu estou a comer, com quem estou, onde eu fui passear, o que eu comprei, o que eu gostei, o que eu detestei, a sentir-me divertido, a sentir-me angustiado e tantos outros sentimentos.

O sentido de comunidade passou das ruas, dos cafés, dos restaurantes, dos convívios cara-a-cara, para as comunidades virtuais, para o telemóvel.

Hoje quando se dá um encontro, um convívio, um jantar, uma caminhada, a sensação é totalmente diferente. É mais vazia, apesar de estarmos ali, frente a frente como antigamente.

Então o que mudou?

Noutros tempos, o encontro, a jantarada, o passeio era esperado com grande antecedência, porque as pessoas só tinham aquele momento para conviverem, para estarem juntas. E se algo interrompesse aquele momento único, era rejeitado a favor daquele convívio.

Hoje, as pessoas juntam-se fisicamente para falarem, mas fazem-no no dia-a-dia por telefone, por videoconferência, por mensagem, por tanto não há novidade estarem ali frente a frente. Pelo contrário, muitas das vezes, dá-se a desilusão: «não te tinha imaginado assim…», quando se concretiza o primeiro encontro depois de muitas conversas à distância. E não abdicam da companhia do telemóvel, interrompendo, por vezes, as conversas para consultar o telemóvel.

Mas no passado as pessoas também se correspondiam por carta ou por telefone e quando se encontravam, geralmente transbordavam de alegria, por se encontrarem pessoalmente.

As redes sociais vieram dar mais poder ao «eu», tornando-o implacável.

«Mais vale só, que mal-acompanhado», lá diz o ditado. «Se não estás bem, muda-te». E vai por aí fora, até que as pessoas se convencem que são mais fortes quando se tornarem independentes.

Claro que o ser humano é independente, precisa do seu próprio espaço, mas também é gregário, é um ser social, precisa de conviver com outras pessoas.

Mas passou a ser social virtual, passou a estar dependente do telemóvel para se comunicar com os seus amigos que nunca conheceu pessoalmente, nem sente essa necessidade e quando acontece até é uma chatice.

Voltando ao centro da questão, opta por ser independente, por viver só. Estranhamente e logo de imediato começa à procura de nova companhia. «Estou bem aonde eu não estou / Porque eu só quero ir / Aonde eu não vou» como diz a letra da canção «Estou Além» de António Variações.

Passou a existir uma estranha sensação de insatisfação permanente, sem que isso leve a lado algum. Somos seres insaciáveis.

Somos cada vez mais exigentes na procura de uma companhia para um relacionamento duradouro, sem saber aceitar o outro tal como ele é. Quanto mais exigentes somos, menor é a possibilidade de encontrar esse ser perfeito que deve existir algures no planeta Terra. Mas o que é perfeito hoje, pode modificar no futuro, tal como o clima do planeta Terra.

Claro que é normal ter padrões e criar expectativas e não querer contentar-me com qualquer pessoa. Mas como poderei encontrar a alma gémea? Para aumentar as probabilidades de encontrar alguém especial, é útil procurar actividades e espaços onde possas conhecer pessoas com interesses semelhantes aos teus. Participar em grupos, eventos ou passatempos que interessam, pois isso pode ajudar a expandir a tua rede social de pessoas de carne e osso e aumentar as hipóteses encontrares alguém compatível.

Por outro lado, quando as exigências são elevadas deixam de ser realistas ou eliminam todas as possibilidades de encontrar a companhia certa para um relacionamento saudável e com significado. Para um relacionamento feliz é preciso abdicar e aceitar.

Na verdade, as pessoas estão cada vez mais sós deixando-se invadir pela solidão.

Eu, não sei nem posso diagnosticar doenças ou condições médicas. No entanto, a solidão pode ser um problema grave que afecta o bem-estar mental e emocional das pessoas.

Será que o mundo vai morrer só?

Luso.eu - Jornal das comunidades
Joao Pires
Author: Joao PiresEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos



Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades
Partilhe o nosso conteúdo!

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

A nossa newsletter

Jornal das Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 292  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

Top News Embaixada

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

News Fotografia

Foto: Paulo Pego
 
 
0
Partilhas
0
Partilhas