quarta-feira, 07 dezembro 2022

Tempo

Dez. 04, 2022 Hits:161 Opinião

Diaversário

Dez. 04, 2022 Hits:295 Crónicas

A Justiça

Dez. 03, 2022 Hits:403 Crónicas

Dá-se com as duas mãos

Nov. 29, 2022 Hits:920 Crónicas

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:784 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:292 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:168 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:545 Crónicas

Os sonhos adiados

Nov. 19, 2022 Hits:237 Crónicas

IXELLES – UMA VILA DESO…

Nov. 15, 2022 Hits:286 Opinião

ESTA VIDA NÃO SE ESGOTA AQUI!





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Já há muito tempo que não falava com o Gabriel.

Umas palavras de circunstância, uns acenos, e pouco mais. Desta vez foi diferente. Ele precisava de falar. De falar de bocados da sua vida que ainda o incomodavam. Precisava de desabafar, e eu fiz-me um bom ouvinte. Quando nos despedimos, era outro homem, mais leve, remoçado.  

Durante muitos e muitos anos, Gabriel não viveu a sua vida, a vida é que o vivia a ele.

As alegrias muito raramente eram dele, tomava as dos outros como se lhe pertencesse, e acarinhava-as. 

Vivia a vontade dos que amava como se fossem suas, anulando-se. 

Aos poucos deixava de ser, sendo o que era expectável que fosse. O sorriso, que lentamente deixara de aparecer, não existia mais, nem mesmo como o do palhaço que ri com lágrimas grossas bem escondidas. 

Os anos iam passando porque sim, o tempo parecia parado sem lugar para onde ir. Tornou-se transparente, até para ele. Sobretudo para ele, já que para todos os outros, já há muito que assim era. 

De longe a longe, envergonhadamente, e cada vez com menos assiduidade, um pensamento rebelde, uma atitude descontrolada, um repente, um grito, um desaforo, faziam crer que nem tudo estaria perdido. 

Um dia viu-a. Falou-lhe. Apercebeu-se de que se calhar havia esperança para ele. 

Ela, por seu lado, viu-o, falou-lhe e apercebeu-se do que ele, tão bem, inconscientemente escondia. 

Apaixonaram-se. Romperam convenções. Lutaram. Mais ela do que ele, ainda tão preso a anos e anos de prisões sem grades. Ela, forte. Ele de novo um aprendiz, a descobrir, a entender, a assimilar. Foi um processo lento, penoso, mas aos poucos compreendeu o quanto podia valer, e que para poder viver, teria de treinar o gostar dele mesmo. 

Começou a procurar sentido na sua vida, sempre com a ajuda e o apoio dela. Não havia, da parte dele, uma ideia ou um pequeno pensamento quase não verbalizado, que ela não o incentivasse a concretizá-lo e a lutar por ele. E aos poucos foram surgindo os, há muito desaparecidos, desejos de fotografar, escrever, publicar, estando ainda num limbo, perdidos algures, os de desenhar, pintar, modelar. E foram-se concretizando, uma a uma, as vontades esquecidas ao longo de muitos anos. 

Com tudo isto, foi, a par e passo, crescendo, a necessidade de meditar, a necessidade de uma solidão controlada, a necessidade de uma única companhia nessas alturas, a dela, ao mesmo tempo que desaparecia a necessidade de estar com gente, de festas, e de outras companhias. A vontade de estar com outros resumia-se a uma, quando muito, duas pessoas de cada vez, em conversa amena e se possível para pensar em conjunto. O silêncio passou a ser primordial nas necessidades diárias. Mais, muito mais do que qualquer alimento. A vida passou a apresentar-se cheia e gratificante. As opiniões alheias perderam a importância que sempre tinham tido, e passaram a ser, unicamente, as opiniões dos outros, que devem ser ouvidas com a atenção devida, e depois, estudadas e consideradas, ou não. A vida passou a ser muito mais interessante depois de ter passado a ser mais introspectivo. O amor subiu a um nível etéreo e os valores materiais, se bem que sempre necessários, passaram a não ser mais do que isso. 

Enquanto esta evolução ia acontecendo com eles, ela muito mais evoluída que ele, muitos daqueles por quem ele sempre vergara a sua vontade, fizeram-lhes guerra. Surda, encapotada, às vezes miserável, enquanto compunham sorrisos falsos e usavam e abusavam da boa vontade deles, sempre presente. 

Durou quase vinte anos, essa guerra, com altos e baixos, com mentiras e falsidades, demonstrando o quanto se pode ser mau com cara de bom, e quase sem que se conseguisse vislumbrar. 

Um dia, ele viu. 

Um dia apercebeu-se da enormidade de tudo o que se fora passando e fechou-se para esse mundo. 

Hoje ele procura a paz, o perdão aos que lhe fizeram e ainda fazem mal, a felicidade com a sua alma gémea e com quem queira respeitar a sua vida e aceite os seus limites, e, essencialmente, evoluir enquanto pessoa. 

Esta vida não se esgota aqui!

Luso.eu - Jornal das comunidades
José Fernando Magalhães
Author: José Fernando MagalhãesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 437  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia