sexta-feira, 09 dezembro 2022

MUNDIAL DE FUTEBOL – CO…

Dez. 08, 2022 Hits:544 Opinião

Parado no tempo

Dez. 07, 2022 Hits:380 Crónicas

Tempo

Dez. 04, 2022 Hits:177 Opinião

Diaversário

Dez. 04, 2022 Hits:311 Crónicas

A Justiça

Dez. 03, 2022 Hits:406 Crónicas

Dá-se com as duas mãos

Nov. 29, 2022 Hits:921 Crónicas

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:800 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:295 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:173 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:552 Crónicas

Abrir os estores da alma





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


A baixa de Câmara de Lobos estava com uma energia mágica naquele sábado que adivinhava a chegada da Primavera, época de florescer. Estava na companhia de um grande amigo, junto ao mar, e pedíamos em silêncio horas emprestadas à noite para continuar a viajar pelo prazer de conversar sobre tudo e nada.

Fomos interpelados por um local, que estava sozinho, e como tal fazia-se acompanhar pela noite. Tinha cerca de 30 anos e estava perdido na caminhada pelo seu abismo interior, era visível pelo seu olhar distante, baço e sem esperança.

Olhou-nos enquanto conversávamos e perguntou, sem delongas ou reservas:

 - “Amam Deus?”

 Confesso que fiquei atónita com a simplicidade desta questão inesperada e desconcertante. Como gosto de filosofar, seja com quem for, pois no fundo somos todos o mesmo, respondi:

- Depende do que chamas Deus.

Ele olhou-me com calma, parecia conseguir ver-me por dentro e disse, com uma precisão jornalística incrível, com aquele sotaque tão carismático de Câmara de Lobos:

- A resposta é muito simples. É sim ou não.

Eu fiquei em silêncio e depois respondi assertivamente:

-Sim amo, uma vez que acredito que todos somos Deus. Há uma partícula divina dentro de todos nós.

Ele anuiu. Ficou por momentos sem fala e tinha os olhos marejados, cansados de uma vida solitária, absurda. Parecia que a sua interioridade era como uma cave fechada, sem portas e sem janelas, com pó a acumular por todos os lados. Quando o olhava, via que os estores da sua alma estavam com uma avaria e não era possível abri-los para deixar entrar a luz. Entrava somente o escuro denso da noite. Vivia por isso às escuras. Mas a culpa não era dele. Não tinha simplesmente recebido a luz do amor.

Pensou que nos estava a incomodar e uns momentos depois disse que nos ia deixar a sós.

Eu respondi que não nos incomodava de todo, que se podia sentar ao nosso lado e continuar a conversar. Rapidamente, com a intimidade que só se tem com estranhos, confessou-nos o seu abismo.

Às vezes as pessoas só precisam de ser ouvidas, pensava eu, enquanto o escutava.

Com 30 anos sentia-se sozinho no mundo. Não teve uma família que olhasse por ele, já era pai, mas sem contacto com a sua filha, algo que dilacerava o seu coração. Disse-nos ainda que já tinha sido preso.

Nós ficámos a ouvir. O meu amigo disse-lhe:

“Não somos assim tão diferentes de ti. Temos idades semelhantes e também nos sentimos sozinhos nos nossos abismos”.

Ele acabou por dizer que se sentia diferente de nós. Não tinha estudos, já tinha estado na prisão e lidava com sombras que deixam marcas indeléveis na vida.

Ainda assim, nada disso nos afastou daquela alma. Queríamos apenas que conseguisse ver-se com os olhos de compaixão que o víamos. Que entendesse que o caminho que trilhou foi uma consequência do meio de onde veio, provavelmente sem amor, com violência e com escassez de tudo quanto o Homem precisa.

No decorrer daquela longa noite, senti que ele conseguiu, pelo menos, começar a arranjar os estores da alma. No final deste encontro, com dois estranhos que de alguma forma lhe transmitiram uma esperança sem cortinas, começou a deixar que alguma luz o invadisse.

Não sei se hoje vive na claridade ou se ainda fecha os olhos como quando acordamos e a luz fere a vista, e preferimos o escuro.

Sei apenas que todos nós precisamos, de vez em quando, de alguém que nos lembre de abrir os estores da alma.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Author: Cláudia Caires SousaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 721  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia