Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades Portuguesas - A LIBERDADE É INOCENTE, INGÉNUA E NUNCA EXCESSIVA
sexta-feira, 01 março 2024

CANDIDATOS DO PS NA FEIRA…

Fev. 29, 2024 Hits:173 Opinião

Não cedamos à facilidad…

Fev. 29, 2024 Hits:310 Opinião

Quero ser uma árvore

Fev. 24, 2024 Hits:658 Crónicas

Morre Navalny mas não a …

Fev. 24, 2024 Hits:201 Opinião

COMPETÊNCIA CÍVICA

Fev. 15, 2024 Hits:376 Crónicas

UNIVERSITAS

Fev. 14, 2024 Hits:290 Crónicas

CIDADÃO DECISOR

Fev. 10, 2024 Hits:254 Crónicas

Desconsideração políti…

Fev. 09, 2024 Hits:638 Opinião

Haja diferenças!

Fev. 07, 2024 Hits:319 Opinião

O Homem: um ser limitado

Fev. 06, 2024 Hits:298 Crónicas

O BANCO NOVO

Fev. 06, 2024 Hits:431 Crónicas

Entre a Esperança e a In…

Fev. 04, 2024 Hits:246 Opinião

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Fev. 04, 2024 Hits:365 Crónicas

A LIBERDADE É INOCENTE, INGÉNUA E NUNCA EXCESSIVA





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor!


A liberdade é uma poderosa norma moral do pensamento, que muitas vezes desperta emoções contraditórias nas pessoas. Ao mesmo tempo que é vista como um direito fundamental e uma conquista desejada, também pode ser controversa e perturbadora para alguns. A ideia de que a liberdade ofende porque sendo inocente e ingénua, é muitas vezes excessiva, merece ser explorada com cuidado e reflexão.

Liberdade inocente.

A liberdade, na sua essência, é inocente. Surge como um desejo natural do ser humano de se soltarde amarras e restrições, de ser quem verdadeiramente é. Mas essa inocência pode confundir e até transtornar aqueles que se sentem ameaçados pela autonomia e independência alheias. Estainocência representa a transparência do indivíduo em busca de sua expressão mais genuína, mas pode ser interpretada como um desafio à organização estabelecida, gerando oposição e disputas.

Liberdade ingénua.

A liberdade ingénua, reside na fé de que exercer pura e simplesmente os direitos que entendem que lhes assistem, não prejudica os outros. A mais das vezes, agem sem malícia, acreditando que estão a ser livres. Não se apercebem de que as suas acções podem interferir na vontade e bem-estar alheios. Essa falta de probidade e responsabilidade em relação ao impacto das escolhas individuais pode gerar confrontos e desentendimentos, uma vez que o desejo e necessidade de um indivíduo pode colidir com o interesse e arbítrio do outro. 

Liberdade excessiva.

A liberdade excessiva pode ser vista como um ultraje às regras socialmente convencionadas, quando uma pessoa procura usar a sua, de maneira imoderada, sem considerar os limites e direitos dos outros, o que origina desconforto e contestação. Se exercida exageradamente pode violar os fundamentos éticos e morais que suportam a sociedade, causando discórdia e desordem.

Mas a liberdade enquanto tal, nunca é demais, nunca é excessiva

Deverá entender-se que, apesar de ser um direito inalienável, ela traz consigo responsabilidades e uma complexidade intrínseca. Que deve ser desempenhada de uma forma esmerada e cortês, tendo em atenção o impacto que suas manifestações possam ter sobre a sociedade e sobre os outros indivíduos. Que não deve ser um pretexto para desrespeitar ou ignorar o espaço e a dignidade do próximo, mas sim uma oportunidade para viver em concórdia e com imparcialidade.

Quando exercida de forma ponderada e consciente, é uma força de mudança em todos os aspectosda vida de uma sociedade e inspira e aproxima as pessoas na procura de um mundo onde todos possam usufruir totalmente das suas regalias individuais. Compreender e honrar a liberdade dos outros é indispensável para estruturar uma sociedade justa, abrangente e serena, na qual cada pessoa tenha o direito de ser livre.

A liberdade inocente, excessiva e ingénua não deve ser motivo de confronto, mas, uma oportunidade de discussão construtiva, compreensão e cooperação recíproca, logrando a construção de um futuro mais justo e livre.

Pelo que se vai sabendo no mundo da vontade dos mandantes do nosso planeta (gente muito importante que só quer o nosso bem, desprovida de qualquer empatia com pessoas, agrupados em algumas organizações de que todos sabemos os nomes, muito juntinhos e a uma só voz), vamos em pouco tempo, menos de um lustre, e em termos globais, ver a nossa vida totalmente devassada, a nossa vontade subtraída, os nossos desejos amarfanhados, a nossa independência tolhida, a capacidade de exercer a nossa vontade, ausente, e a condição de se ser um cidadão e poder dispor da sua pessoa, desprovida de sentido. 

Em suma, liberdade nula, por inexistência. 

José Fernando Magalhães

“- Por decisão do autor, este artigo encontra-se escrito em Português, e não ao abrigo do «novo acordo ortográfico».”

 

Luso.eu - Jornal das comunidades
José Fernando Magalhães
Author: José Fernando MagalhãesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos



Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades
Partilhe o nosso conteúdo!

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

A nossa newsletter

Jornal das Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 605  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

Top News Embaixada

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

 
 
0
Partilhas
0
Partilhas