terça-feira, 07 fevereiro 2023

A lama dos dias

Fev. 02, 2023 Hits:279 Crónicas

DIGNIFICAR A AUTORIDADE

Fev. 01, 2023 Hits:130 Crónicas

Homoousios

Jan. 31, 2023 Hits:160 Crónicas

O Escorpião Marcelo

Jan. 31, 2023 Hits:107 Opinião

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:205 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:489 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1880 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:1022 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:439 Apontamentos

A caminho de Salir





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


À memória de Maximiana e Eduardo Carneiro,

Pais e avós de gente boa.  

Curvas ásperas, pneus chiantes, abrasador sol a subir a serra. Logo após mais uma dobra, a escaldante rampa em cimento contígua ao restaurante. Estacionei mesmo defronte da porta, a menos de um metro desta.

De Faro à serra, a viagem decorrera silenciosa. O ainda verde arvoredo do Barrocal dera lugar ao torneado ralo e amarelecido das silvas e arbustos das colinas. No zénite do dia e do Verão, a Ria Formosa, em horizonte de frescura, ia-se alargando e escapando.

Mesas dispersas acomodavam solitários leitores de imprensa desportiva e murmurantes casais, em pachorrenta digestão. Alguns, visivelmente, de origem forasteira, degustavam sem fervor whiskies e águas minerais.

Estacionei o mais possível em cima da porta principal.

- Não se respeita quem está aqui! Não vê que o seu carro incomoda quem está nestas mesas em sossego, havendo outros lugares ali a dez metros? – disse a inglesa mais velha, de uns setenta e tal, furibunda, em crescente tom ameaçador.

Preocupado com a minha tarefa, e por inútil, reservo-me.

Abro a porta do outro lado do condutor e ajudo o meu Pai, a quem uma trombose primeira, lhe retirou capacidades motoras, a segunda, mais tarde, não perdoaria. Entro com ele no restaurante, apoiado no meu ombro, ofegante e dorido, e sento-o na mesa previamente reservada pela patroa da casa.

Rapidamente, volto lá fora. Na mesa, a escassos centímetros do para-choques do meu jeep, a inglesa tinha-se acalmado e calado.

Lesto, abro a porta de trás e, à força de braços, como se fora um bebé, soergo a minha Mãe e transporto-a a custo para dentro, sentando-a na mesa, defronte de meu Pai. Pálida, febril, resistia com garra à doença que se adivinhava prestes fatal. 

De pé, respiro fundo, numa mão, a chaves do carro, na outra, o lenço com que secava o suor da testa e pescoço.

Pela porta, decidida e de mãos na cara, a loira inglesa contestante, em restaurante silencioso, expectante e tenso, chega-se a mim, abraça-me com força, emocionada, tremente, lavada em lágrimas fartas, e titubeia:

- Perdão! Perdão! Perdão!

De novo por inútil, reservo-me.

Meus Pais ficaram mais bonitos naquele momento.

Algarve, 9 de Agosto de 2015

Ligure

Luso.eu - Jornal das comunidades
Joaquim Pinto da Silva
Author: Joaquim Pinto da SilvaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 624  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

News Fotografia