sexta-feira, 09 dezembro 2022

MUNDIAL DE FUTEBOL – CO…

Dez. 08, 2022 Hits:544 Opinião

Parado no tempo

Dez. 07, 2022 Hits:386 Crónicas

Tempo

Dez. 04, 2022 Hits:177 Opinião

Diaversário

Dez. 04, 2022 Hits:311 Crónicas

A Justiça

Dez. 03, 2022 Hits:406 Crónicas

Dá-se com as duas mãos

Nov. 29, 2022 Hits:921 Crónicas

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:800 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:295 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:173 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:552 Crónicas

Entre príncipes encantados e aquilo que o amor não é





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


            No Big Brother Famosos, Bruno de Carvalho destratou a sua namorada, Liliana Almeida. Deu mostras de ciúme doentio, tentou isolá‑la, intimidou‑a (chegou a agarrar o seu pescoço de maneira rude) e, como é próprio dos manipuladores, adotou uma estratégia de culpabilização da vítima. Esses atos podem configurar a prática do crime de violência doméstica (cf. artigo 152.o do Código Penal). A Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género participou o caso ao Ministério Público e instou a TVI a tomar sem demora as medidas necessárias para pôr cobro à situação. A TVI não o fez e Cristina Ferreira — que já foi alvo de insultos sexistas — invocou o dever de imparcialidade, alegou que o papel da televisão é entreter e afirmou que «só o amor pode resolver até as coisas mais condenáveis». Bruno de Carvalho acabou por ser afastado do Big Brother Famosos em decorrência da votação dos telespetadores.

            Mal andou a TVI, mal andou Cristina Ferreira. Na busca infrene de audiências e do ganho pingue, monetizaram o caso — fizeram‑no render até à «gala» — e contribuíram para uma certa normalização dos maus tratos físicos e psíquicos no seio do casal. O jogo é perigoso: a televisão ajuda a formar perceções coletivas, mormente no âmbito das relações sentimentais, a sociedade portuguesa é machista e o lucro é uma abstração, atrás dela se pode correr até ao infinito.

            É legítimo perguntar: se em causa estivesse um homicídio, Cristina Ferreira continuaria a defender que só o amor pode resolver as coisas mais condenáveis? Dans l’air du temps, o artista que proferisse declarações com teor idêntico às da apresentadora, diretora, administradora e acionista seria cancelado.

            Nem se diga que cabia a Liliana Almeida denunciar os abusos. A violência doméstica é crime público, o procedimento criminal não depende de queixa da vítima, o Ministério Público inicia o processo depois de ter notícia do crime (por conhecimento próprio, por intermédio dos órgãos de polícia criminal ou mediante denúncia — artigo 241.º do Código de Processo Penal). De resto, amiúde as vítimas não se apercebem de que o são. Isto vale, nomeadamente, para as mulheres que vivem nos enleios da romantização das agressões e agem motivadas pelos indezes daquilo que consideram ser amor.

            Sei bem o que é a violência doméstica, conheço a sua trivialização. Tanto uma como a outra doem. As sevícias nunca dimanam do amor e da benquerença, são atos abjetos, associados a formas mentais ominosas. Sic et simpliciter.

            A desculpabilização da violência doméstica encontra paralelismo naquilo que durante muitos anos sucedeu — e ainda sucede — no universo do futebol. Sob os mantos da paixão clubística, foram criadas zonas estranhas ao direito (em especial para dirigentes e adeptos). E não deixa de ter similitude com a garantida a professores que, ao abrigo dos critérios de antiguidade e escudando‑se em apregoados juízos científicos, verminam no meio universitário.

            Os príncipes encantados in spe deveriam ouvir O navio dela, de Manel Cruz. Descobri tal canção graças a um afixo — ensejado pela susodita afirmação de Cristina Ferreira — que Daniel Oliveira, jornalista do Expresso, deixou no Facebook. Na sua letra se assinala que «A minha mulher não é minha/É da cabeça dela/Mesmo achando que sim/Não precisa de mim/Isso é o que me agrada nela//Ela é o capitão do seu navio». Se tiverem bem presentes estes trechos e não reificarem as mulheres, esforçar‑se‑ão por ser atenciosos e amáveis, atributos que elas muito prezam.

            Termino com duas notas de índole diversa.

            O programa da disciplina de Educação para a Cidadania inclui uma parte dedicada à prevenção de relações abusivas e isso leva‑me a acreditar que, no futuro, diminuirá a tolerância em matéria de violência doméstica e de violência de género.

            Este arrazoado não me impede de apreciar BDSM: as práticas que cobre enriquecem a vida de um casal. A violência tem o acordo dos envolvidos, obedece a regras definidas com antecedência e, se surtir desconforto, logo acaba mediante o uso da palavra de segurança.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Paulo Pego
Author: Paulo PegoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 657  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia