Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
quinta-feira, 02 dezembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Em Liepāja



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

          No decurso da Segunda Guerra Mundial, os bombardeios destruíram grande parte do centro de Liepāja, cidade na costa da Letónia. Mesmo assim, sobrou obra digna de referência: as casas de madeira, algumas muito valorizadas pela pátina, os frontispícios que denotam Arte Nova, os imóveis com firma de Paul Max Bertschy, arquiteto oficial do burgo por vários decénios, a catedral da Santíssima Trindade, em cujo interior avultam as curvas do Rococó e o dourado que, sobre o branco, realça ornatos e relevos. No trabalho de Bertschy predomina o tijolo e bom exemplo disso é a igreja de Santa Ana, de risco neogótico (o retábulo barroco que lá se encontra também justifica a visita).

          No que toca ao moderno, gostei do edifício monolítico envidraçado onde se situa a principal sala de concertos de Liepāja, os seus tons ambarinos ganham particular fotogenia quando contrapostos à luz crepuscular ou ao negrume.

          Ainda no centro, o Promenade Hotel funciona num antigo armazém de depósito de mercadorias e almeja atrair pessoas que se interessam por cultura — tem mostra permanente de obras de arte —, mas o certo é que no nosso quarto a luz não era própria para ler à noite.

          Além do giro pelo núcleo urbano e pela praia de areia fina, outrora pouso da aristocracia russa, fomos a Karosta, a única zona de Liepāja que buliu comigo.

          Karosta guarda longa história de prestança militar. Entre o fim do século xɪx e o término da URSS, ali existiu uma base naval. Durante a era soviética, o acesso à área esteve mesmo interdito à população civil.

          Os testemunhos do passado que conformam o caráter de Karosta datam de dois períodos diversos, o imperial e o soviético. Deste, vale a pena referir os blocos habitacionais de baixo custo e edificação rápida (khrushchyovkas), marcas do nivelamento e da uniformização caraterísticos da época. A sua aparência atual deixa a desejar, não falta a cor esmaecida, a fenda na parede, o caixilho que se degradou. Os moradores, sóbrios e tristonhos, lançaram‑nos olhares circunspetos, como se de nós esperassem algum género de intrusão ou de censura.

          Do czarismo, merecem nota a catedral ortodoxa, os restos de uma fortificação na orla costeira e várias construções com paredes de tijolo vermelho‑acastanhado: a torre de depósito de água; o edifício do antigo presídio, que acolheu sobretudo o recluso militar; o albergue dos pombos‑correios (úteis para levar mensagens a quem estava a bordo de um navio), hoje um prédio decadente; o picadeiro — também serviu de ginásio e de local de festas e banquetes —, agora um hipetro cujas paredes soam charmes e elegâncias de antanho. Devotada a São Nicolau, protetor dos marinheiros, a catedral exibe a graça que advém das luzidias cúpulas bulbiformes e do revestimento com tijolo amarelo. Proibido o culto durante o ciclo soviético, nela funcionou então um ginásio, um cinema e um clube de marujos. No interior, outrora rico, hoje falho de atributo a destacar, popes simpáticos e beatas insuportáveis, implicativas.

          A res militaris e o exercício da autoridade fascinam os russos e os que se identificam com o imaginário russo. São almas que gostam da dicção impositiva, da ordem, da arma, do látego. Para elas, a tarimba extrapassa o orbe das forças armadas: nas minhas viagens, sobretudo pela Europa de Leste, amiúde encontro turistas russos que envergam uniforme militar; no albergue onde pernoitei, em Taline, havia uma brochura que em inglês propunha visita à parte velha dessa capital e em russo sugeria a condução de um tanque.

          Na antiga penitenciária de Karosta, senti o travo do militarismo e da submissão, de um militarismo e de uma submissão elementares, primários. Eu e a Jūratė integrámo‑nos no grupo que fez a visita em inglês. Esta seguiu um modelo usual, sem episódio digno de realce. Cruzámo‑nos várias vezes com os que, para o efeito, tinham escolhido a língua russa. Munido de apito e cassetete, vestido como se fosse um tropa, o respetivo cicerone simulava ser carcereiro e, evidenciando regalo patético, fingia voz de comando, batia com o salto da bota no chão, ameaçava punir os presos, dispunha‑os em fila, ordenava‑lhes que se voltassem para a parede, à qual deviam levar as mãos. E eles, adultos, obedeciam‑lhe empenhadamente. Achei o espetáculo pueril, ridículo, próprio de cabeças inanes. Não por evocar modos e cenografias castrenses, mas pelo descaminho da dignidade. Percebi uma menorização que me trouxe à memória as abjetas praxes académicas de Coimbra (em Karosta, bem entendido, faltava a sevícia).

          Dito isto, indico ao leitor, potencial visitante, outros credores de atenção que, contudo, não afeiçoam a índole de Karosta: a ponte Oskars Kalpaks — capaz, graças ao seu desenho, de resistir à usura que o tempo produz no gosto — e o monumento, em forma de menorá, que homenageia as vítimas do Holocausto.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Paulo Pego
Author: Paulo Pego
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 515 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia