Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades Portuguesas - Em Buarcos
sexta-feira, 01 março 2024

PROMESSAS ELEITORAIS

Mar. 01, 2024 Hits:109 Opinião

CANDIDATOS DO PS NA FEIRA…

Fev. 29, 2024 Hits:413 Opinião

Não cedamos à facilidad…

Fev. 29, 2024 Hits:343 Opinião

Quero ser uma árvore

Fev. 24, 2024 Hits:664 Crónicas

Morre Navalny mas não a …

Fev. 24, 2024 Hits:204 Opinião

COMPETÊNCIA CÍVICA

Fev. 15, 2024 Hits:382 Crónicas

UNIVERSITAS

Fev. 14, 2024 Hits:294 Crónicas

CIDADÃO DECISOR

Fev. 10, 2024 Hits:258 Crónicas

Desconsideração políti…

Fev. 09, 2024 Hits:640 Opinião

Haja diferenças!

Fev. 07, 2024 Hits:326 Opinião

O Homem: um ser limitado

Fev. 06, 2024 Hits:305 Crónicas

O BANCO NOVO

Fev. 06, 2024 Hits:436 Crónicas

Entre a Esperança e a In…

Fev. 04, 2024 Hits:250 Opinião

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Fev. 04, 2024 Hits:370 Crónicas

Em Buarcos





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor!


            Buarcos, terra do perímetro urbano da Figueira da Foz, estende‑se por uma encosta que, grosso modo, vai da marginal a um alto onde se encontra um resto de torreão do Castelo de Redondos. A geografia nem sempre anda de braço dado com a fotogenia e com o pitoresco: a povoação não é bonita, nota‑se a falta de plano urbanístico, grande parte das casas é anestética e os revestimentos azulejares chocam por patentearem péssimo critério. Certas cromias criam expetativa, mas logo o olhar pousa numa porta pirosa, num adorno pindérico ou num emaranhado de cabos elétricos. Deparei com gente que a vida assilvestrou, vi boa pinta em raparigas e em senhoras de meia‑idade, no Café Pierrot gostei do estilo da jovem tatuada que me atendeu. Tendia para o urban chic, mas não chegava a sê‑lo.

            O Teatro Trindade, assim chamado em homenagem a Maria da Trindade, a mulher do ricaço que ordenou a construção do imóvel, veste de amarelo e exibe na frontaria ornatos de sopro neomanuelino. Do interior, destaco as duas grandes esculturas do arco do proscénio; não têm significado definitivamente estabelecido, talvez se trate de representações alegóricas. A decoração do teatro, as pessoas que lá encontrei, as fotos que pendem das paredes nos corredores do rés do chão e o tipo de eventos que ali tem lugar (teatro, bailes, matinés dançantes, noites de fado…) fizeram‑me pensar numa combinação — em termos gerais, difícil — de elegância com cariz popular.

            No Núcleo Museológico do Mar, apreciei as miniaturas de barcos e os três dóris amarelos, e detestei, no vídeo relativo à pesca do bacalhau, a exploração dos sentimentos e dos carpidos das mulheres que viam filhos e maridos partir para a empresa longínqua. Retenho pormenor que desconhecia: os pescadores apodavam o gadídeo de «peixe tonto» visto que, uma vez apanhado, não tentava libertar‑se.

            Pude visitar três monumentos dignos de encómio, que aqui indico por ordem decrescente da minha preferência: a Igreja da Misericórdia, a Capela de Nossa Senhora da Conceição e a Igreja de São Pedro.

            A primeira terá sido edificada no século xvɪ e convence pelo seu interior, de nave única revestida de silhar de azulejos. O teto verde, de linhas curvas, está dividido em caixotões. A cabeceira da igreja compreende três capelas pouco profundas, num patamar a que se acede por dois conjuntos de escadas laterais. Na parte de baixo do patamar foi aberto um nicho e colocado um grupo escultórico do século xvɪ, de pedra de Ançã. Atribuído à escola de João de Ruão, representa Cristo no túmulo. Já a estatueta de pedra ançanense em que se reconhece Maria Madalena é obra do próprio mestre francês, assim mo garantiu o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Buarcos, gentil e competente na forma como dirigiu a minha visita. A tribuna dos mesários é o melhor ponto de observação da cabeceira da igreja.

            No púlpito, de pedra, o guarda‑corpos leva decoração de pilastras jónicas e de nichos encimados por concheados. O teto da sacristia apresenta formato octogonal e um pormenor interessante: os cantos em leque. Lastimo que, por norma, a Igreja da Misericórdia esteja encerrada e só abra para funerais. Ela é, no meu aviso, o templo do concelho da Figueira da Foz que tem o espaço intestino mais bonito.

            A Capela de Nossa Senhora da Conceição, erguida no século xvɪ, é, com propriedade, aquilo que se qualifica de petit bijou. Agradou‑me a conjugação dos lambris azulejares com a talha dourada de três retábulos, um situado no presbitério e os outros nas capelas laterais. Ao retábulo da capela que fica no lado do Evangelho mandou o pároco em exercício — Jorge, de sua graça — acrescentar uma pintura votiva na qual homens do mar cujo barco naufragou agradecem o seu salvamento ao Senhor Jesus dos Pescadores, representado em crucifixo anteposto ao ex‑voto. Outrossim, é credor de alusão o cálice formado pelo púlpito circular, com aligeirado adorno de querubins, e pela coluna em que ele assenta.

            Por via de regra, também a Capela de Nossa Senhora da Conceição está fechada ao público. O acesso à nave depende das disponibilidades do padre Jorge e dos garções do Stella Maris, restaurante onde deve ser feito o pedido correspondente. E, verdade seja dita, mesmo carregados de trabalho, eles fazem o possível para que ninguém fique privado da visita.

            Quem for à Igreja de São Pedro em busca de boa arte, encontrá‑la‑á no batistério e na Capela de Santa Cruz. No primeiro, tenho em mente o silhar de azulejos e o retábulo seiscentista de talha dourada. Na capela, penso nos azulejos de estilo mudéjar e no pungente altar pétreo, policromo, de João de Ruão, com Lamentação sobre o Cristo morto.

            Contérmino à Igreja de São Pedro, o Stella Maris é tocado pelo requinte. Nele ressai a presença da madeira, no teto e na decoração (guarda‑louças, relógio de pé alto…). A lareira, os quadros, os candeeiros e a cortina espessa que separa as duas salas reforçam o caráter tradicional do restaurante. Fui lá três vezes e a única pessoa que destoava da finura era um homem que, depois de refeiçoar, levou um palito à boca. Ora o mantinha estático, ora o movia, com indisfarçável prazer, na comissura labial. Tinha cara bolachuda e a combinação da cena com o cenário criava um pequeno showburlesco. No entanto, tendo em conta a forma como tratava a mulher — dava mostras de delicadeza e conversava com ela —, o pecadilho pouco importava.

            O cardápio oferece entradas costumeiras, um rol, fixo e sem surpresas, de 15 pratos, e ainda doces, frutas e gelados. Serve‑se, além disso, o prato do dia, sobre ele recaiu duas vezes a minha escolha. Provei sopa de peixe e sopa de nabiça, ambas espessas e reveladoras de boa mão para a cozinha. Critico apenas o excesso de salsa que retoucava a sopa de peixe. Todos os louvores para a dourada assada, com escolta de batatas e brócolos, e para o bacalhau com broa, que chegou à mesa em montinho onde acertadamente se misturavam dois paladares, o do demersal, servido em lascas, e o do pão de milho. Batatas a murro, azeitona e grelos salteados em azeite e alho completavam a dose.

            Classificação satisfatória para o bacalhau à Stella. Com rodelinhas de batata frita e couve‑de‑bruxelas, do forno saiu posta generosa de bacalhau, recheada com presunto e coroada por maionese e por duas gambas gigantes. No fundo da travessa, cebolada com miolo de marisco embebia a base da composição. Notei uma pecha: não se notava o gosto do presunto. A lista de sobremesas é banal. Provei o bolo de bolacha, delicioso, e o pudim de ovos, fresco, mas a carecer de paladar mais intenso.

            A carta de vinhos é curta, mas conta com representantes das principais regiões vitivinícolas do país. Não fui ambicioso, bebi um vinho regional alentejano agradável e sem pretensões produzido pela Fundação Eugénio de Almeida (EA, tinto, de 2019), e um tinto do Dão, suave e com aroma de frutos vermelhos (Encosta da Estrela, de 2019).

            Os empregados do restaurante são corteses e prestam bom serviço. Quando me preparava para pagar através do multibanco, um deles levou o sufixo «inho» a recinto onde nunca o havia visto: pediu‑me para confirmar o valorzinho e para marcar o codigozinho.

            Embora a zona em que cirandei não seja extensa, enxerguei dois pelourinhos, o de Buarcos e o de Redondos, dantanho povoação autónoma relativamente a Buarcos. É legítimo estabelecer uma analogia entre esse torrão e o mundo atual: onde quer que estejamos, sempre estão perto de nós as redes sociais, verdadeiros pelourinhos do tempo presente.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Paulo Pego
Author: Paulo PegoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos



Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades
Partilhe o nosso conteúdo!

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

A nossa newsletter

Jornal das Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 349  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

Top News Embaixada

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

 
 
0
Partilhas
0
Partilhas