domingo, 26 junho 2022

Dinamite

Jun. 21, 2022 Hits:45 Opinião

UM NOVO DEUS (Crónica)

Jun. 21, 2022 Hits:88 Crónicas

A cidade desperta

Jun. 15, 2022 Hits:173 Crónicas

Quantos dias tem a semana

Jun. 05, 2022 Hits:366 Crónicas

Aventuras (Crónica)

Jun. 02, 2022 Hits:164 Crónicas

A Outra Cena da Filosofia

maio 30, 2022 Hits:170 Crónicas

Na terra dos gnomos

maio 30, 2022 Hits:517 Crónicas

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:428 Opinião

Do Dia da Europa aos desa…

maio 25, 2022 Hits:100 Opinião

O ruído





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


            Na semana em que se discutiram os feitos académicos do secretário-geral do PSD, fui a um local que decerto não consta dos currículos do Dr. Feliciano e dos bimbos. O café BOOM é um repositório das preocupações expressas pelas vozes críticas do estado da Terra. Sem lamechice, revistas, plaquetas, folhas avulsas, cartazes, autocolantes e t‑shirts pedem paz e amor, condenam o extrativismo e o racismo, insistem na igualdade de oportunidades, publicitam a luta dos camponeses, interrogam o nuclear, exigem a reestruturação da dívida e a legalização dos imigrantes em situação irregular, incitam à revolução e a visitar a Palestina antes que ela desapareça. Quadros de ardósia oferecem produtos biológicos da época e café comprado por preço justo às comunidades zapatistas de Chiapas, no México. Na cave, pendurado em parede do corredor de acesso ao quarto de banho, um desenho mostra designações da menstruação em várias partes do mundo. O chá verde que pedi foi servido em xícara de porcelana com senhorinhas e motivos orientais que, provavelmente, pertenceu aos bisavós de algum trabalhador do café. Os sons que saíam da aparelhagem levaram‑me a concluir que nem sempre música e revolução devem estar associadas.

            Deixei o café e fui à barbearia vizinha. Enquanto me compunham barba e cabelo, uma dose brutal de decibéis transformava um belo amplificador Marshall numa máquina satânica. Ainda no centro da cidade, deparei com adeptos do Standard de Liège que, para rebentar cargas explosivas e criar cortinas de fumo branco e vermelho, não esperaram pelo jogo da noite. Mais tarde, durante o jantar num agradável enclave da Sardenha em Bruxelas, o restaurante Antas, ouvi um homem de cuja boca não saía senão parra.

            Talvez a perturbação sonora fosse a minha sorte para aquele sábado. Uma desdita que se repete. Claudio Magris escreveu:  «Morrer faz parte dos óbvios riscos do ofício de viver.»[1] Cada vez mais, o ruído também faz parte de tal ofício.

  [1] MAGRIS, Claudio, Instantâneos, tradução de Sara Ludovico, 1.ª edição, Lisboa, Quetzal Editores, 2018, p. 15.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Paulo Pego
Author: Paulo PegoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1483 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia