terça-feira, 07 fevereiro 2023

A lama dos dias

Fev. 02, 2023 Hits:279 Crónicas

DIGNIFICAR A AUTORIDADE

Fev. 01, 2023 Hits:130 Crónicas

Homoousios

Jan. 31, 2023 Hits:160 Crónicas

O Escorpião Marcelo

Jan. 31, 2023 Hits:107 Opinião

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:205 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:488 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1879 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:1021 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:438 Apontamentos

Belmonte — ciganos e judeus





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


             Em Belmonte, pedi licença para me sentar junto de ciganas que conversavam na rua, sentadas em cadeiras e degraus. A cavaqueira que se seguiu teve a virtude de desfazer ideias erradas que eu tinha a propósito da vida dos zíngaros.

            Natália, Anabela (Nadim), Fabiana e Maria Lourenço (Lomira) asseveraram‑me que os membros da comunidade gitana escolhem livremente os seus parceiros, podem casar‑se ou viver em união de facto com pessoas estranhas à etnia, têm acesso ao divórcio. Fizeram‑me ver que os ciganos deixaram de ser nómadas, mas Natália, septuagenária, ainda se recordava de, na infância e na adolescência, ter morado numa carroça.

            Afeiçoadas às tradições, mostraram‑me como as presentificam: Natália, Nadim e Lomira, viúvas, traziam cabelo curto e vestiam roupa negra, garantiram‑me que sempre porão luto.

            Por discrepâncias nas fontes de estudo, subsistem dúvidas acerca da origem da comunidade judaica de Belmonte. É certo que, em razão do édito de 1496 assinado por D. Manuel I — obrigava os judeus a sair do país ou a converterem‑se ao cristianismo —, muitos judeus permaneceram em Belmonte, enquanto cristãos‑novos. Perseguidos pela Inquisição, em segredo cultivaram a sua fé, tornando‑se criptojudeus.

            Calcorreei as ruas da antiga judiaria e, na Sinagoga Bet Eliahu, inaugurada em 1996, falei com Carlos, tesoureiro da comunidade judaica local, a única puramente sefardita do país. Agrega 48 membros, menos do que no passado, e o respetivo rabino nasceu em Marrocos. Vários judeus belmontenses emigraram para Israel, já para arranjar parceiro com a mesma crença, já para conseguir emprego. Houve idosos que para lá foram a fim de se juntar aos filhos. Se fosse mais novo, Carlos também para lá iria, por razões económicas e por acreditar que todo o judeu pertence à terra de Israel.

            O Museu Judaico apresenta informação acerca do judaísmo, nomeadamente em Portugal e em Belmonte. Nas minhas fotos, fixei um suporte para missal, do século xvɪɪ, com as armas da Inquisição, e ainda duas peças usadas durante a Chanucá (Festa das Luzes), a saber, um candelabro da Christofle, de 1994, e uma lâmpada para óleo que tem sopro marroquino e talvez date da Idade Média.

            Hospedei‑me no Belmonte Sinai Hotel, estabelecimento que se anuncia habilitado a receber judeus. Para evitar a utilização de dispositivos elétricos durante o sabat, é possível abrir as portas dos quartos de jeito manual, com chave. Outrossim, da Torá decorre que os judeus só podem comer carne de ruminantes que tenham cascos fendidos e animais aquáticos dotados de escamas e de barbatanas. Ficam de fora os moluscos, o marisco e o porco, o restaurante do albergue não os serve. Acontece que, segundo me explicou o supracitado Carlos, falta um mashguiach, supervisor que assegura o cumprimento dos preceitos do regime alimentar kosher. Deste jeito, tal adjetivo não é idóneo para qualificar o passadio ali proposto.

            No que me toca, gostei muito do Belmonte Sinai Hotel. Nele comi bom peixe, com apuros regionais ou criativos, e desenjoei‑me de carnes e enchidos beirões. A novidade foi o pudim de queijo da serra, feliz combinação da textura do pudim com o sabor forte do queijo. Os membros do pessoal revelaram‑se simpáticos e solícitos, o meu quarto era confortável, funcional e denotava bom gosto. Abria para a serra e para o rio Zêzere, tinha vistas bonitas. De noite, as luzes das aldeias vizinhas tremeluziam como chama de velas e parecia que salpicos de cor amarela varavam o breu.

 

Luso.eu - Jornal das comunidades
Paulo Pego
Author: Paulo PegoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 517  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

News Fotografia