terça-feira, 07 fevereiro 2023

A lama dos dias

Fev. 02, 2023 Hits:279 Crónicas

DIGNIFICAR A AUTORIDADE

Fev. 01, 2023 Hits:130 Crónicas

Homoousios

Jan. 31, 2023 Hits:160 Crónicas

O Escorpião Marcelo

Jan. 31, 2023 Hits:107 Opinião

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:205 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:489 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1880 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:1022 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:439 Apontamentos

A Capela da Imaculada e a Capela Cheia de Graça, em Braga





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


            A cidade dos arcebispos referve de património arquitetónico e artístico. Este texto versa sobre uma das joias do seu escrínio, o complexo formado pela Capela da Imaculada e pela Capela Cheia de Graça. 

            Sita no Seminário Menor de Braga e construída nos anos quarenta do século xx, a Capela da Imaculada foi alvo de reforma durante a segunda década do século xxɪ. No âmbito dos trabalhos de modernização, que obedeceram a traço lapisado pela equipa do gabinete Cerejeira Fontes Arquitetos, foi erguida, dentro da Capela da Imaculada e à imagem de um coro alto, a Capela Cheia de Graça, feita de madeira.

            O conjunto logo me cativou. Quis o bendito acaso que ali tivesse encontrado um sacerdote, Jorge de sua graça, que me fez compreender simbologias e figurações — o deleite para o espírito excedeu então tudo o que poderia supor.

            A Capela Cheia de Graça, reservada ao uso dos seminaristas, pode ser vista como uma capela‑útero (dentro do corpo de uma igreja‑mãe, a Capela da Imaculada) na qual se desenvolvem vocações.

            Transposta a porta de acesso à Capela da Imaculada, damos por nós nos baixos da Capela Cheia de Graça; aí, os esteios de madeira evocam a floresta e o dessistema em que ela se apresenta. Somos chamados a fixar a atenção em algum ponto: no pilar de pedra que serve de pé ao altar da Capela Cheia de Graça está esculpida uma orelha, que, com a cadeira existente no local, define aquele lugar como posto de escuta e de diálogo com Cristo.

            Depois, à medida que nos adentramos na Capela da Imaculada, vamos subindo. Porque o ádito ao transcendente implica esforço, o piso tem inclinação.

            A fim de facilitar o ligame entre os fiéis, os bancos da Capela da Imaculada foram dispostos em U, escapam ao formato habitual nos templos católicos. Disse‑me o padre Jorge que assim se transmite a ideia de que o coletivo não aniquila a individualidade. Sabê‑lo foi música para os meus ouvidos. Valorizo a escolha singular e a autodeterminação, tenho horror a fés, grémios e associações que em absoluto subordinam a pessoa ao grupo.

            Num dos bancos há uma estátua de madeira de tília que representa, sentada, Nossa Senhora da Humildade. Eis a imagem de uma mulher comum, com puxo, de uma mulher do povo com a qual interage o povo que se senta nesse e noutros bancos. Cabida é, pois, a colocação da coroa de rainha nas mãos — não na cabeça — da Nossa Senhora. Adrede se deixa a estátua mostrar imperfeições decorrentes da passagem do tempo. Não é isso que acontece no corpo das mulheres, de todos os humanos!?

            O ambão é uma peça que, pelas suas caraterísticas — objeto simples, de ferro — e localização na nave, promove a centralidade do verbo e entrega o realce à palavra bíblica. Outrossim, há uma lamparina ao pé do sacrário e outra junto da Bíblia, desse jeito se reiterando o subido valor não apenas do pão, mas também da palavra.

            No altar, o granito negro é pedra que se deitou fora, que não serviu para outros fins. O paralelismo facilmente se estabelece: Cristo foi rejeitado. E, como na Bíblia, a pedra recusada devém, afinal, a mais importante.

            Com gosto assistiria a missa na Capela da Imaculada, obra que integra um conjunto bonito e capaz de instigar o espírito. Esperaria, porém, uma homilia que, à maneira do arreio da capela, se acadimasse à época atual. Aguardo sempre com expetativa essa parte do ofício divino e já me vai faltando paciência para sermões que são pouco mais do que séries de platitudes e de lugares‑comuns, maçadores e distantes da vida.

            Antes de sair do Seminário Menor, despedi‑me, na repartição administrativa, da funcionária que me tinha acolhido e mostrado o caminho que leva às capelas. De novo, foi simpaticíssima. Como já o havia sido muita gente em Braga e noutras terras de Portugal. É inegável: vivo em Bruxelas por causa do meu emprego, da Jūratė e do multiculturalismo, não pelas virtudes do trato que recebo dos bruxellois.

 

Luso.eu - Jornal das comunidades
Paulo Pego
Author: Paulo PegoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 731  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

News Fotografia