Em Bruxelas (II)

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

            Na semana em que se discutiram os feitos académicos do secretário-geral do PSD, fui a um local que decerto não consta dos currículos do Dr. Feliciano e dos bimbos. O café BOOM é um repositório das preocupações expressas pelas vozes críticas do estado da Terra. Sem lamechice, revistas, plaquetas, folhas avulsas, cartazes, autocolantes e t‑shirts pedem paz e amor, condenam o extrativismo e o racismo, insistem na igualdade de oportunidades, publicitam a luta dos camponeses, interrogam o nuclear, exigem a reestruturação da dívida e a legalização dos imigrantes em situação irregular, incitam à revolução e a visitar a Palestina antes que ela desapareça. Quadros de ardósia oferecem produtos biológicos da estação e café comprado por preço justo às comunidades zapatistas de Chiapas, no México. Na cave, pendurado em parede do corredor de acesso ao quarto de banho, um desenho lista designações da menstruação em várias partes do mundo. A infusão de camomila que pedi foi servida em xícara de porcelana — com senhorinhas e motivos orientais — que deve ter pertencido aos bisavós de algum trabalhador do café. Os sons que saíam da aparelhagem levaram‑me a concluir que nem sempre música e revolução devem estar associadas.

            Deixei o café e fui à barbearia vizinha; enquanto me compunham barba e cabelo, uma dose brutal de decibéis transformava um belo amplificador Marshall numa máquina satânica. Ainda no centro da cidade, deparei com adeptos do Standard de Liège que, para rebentar cargas explosivas e criar cortinas de fumo branco e vermelho, não esperaram pelo jogo da noite. Mais tarde, durante o jantar num agradável enclave da Sardenha em Bruxelas — o restaurante Antas —, ouvi um homem de cuja boca não saía senão parra.

            Talvez a perturbação sonora fosse apenas a minha sorte para aquele sábado. Uma desdita que se repete. Claudio Magris escreveu:  «Morrer faz parte dos óbvios riscos do ofício de viver.»[1] Cada vez mais, o ruído também faz parte de tal ofício.

 

 

[1] MAGRIS, Claudio, Instantâneos, Quetzal Editores, Lisboa, 2018, p. 15.

Paulo Pego
Author: Paulo Pego
Colaborador convidado
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.
 
Paulo Pego nasceu em 1967, em Barcelos (Portugal). É doutor em direito, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e jurista-linguista do Conselho da União Europeia, em Bruxelas (Bélgica). 

Publicou livros e artigos jurídicos e faz palestras sobre temas relacionados com a União Europeia. 

Paulo Pego é autor dos livros de poesia À Senoite (2009), A Lógica dos Corais (2013), Le Sel (2013), Livro das Pedras (2014) - publicados pela Orfeu (Bruxelas) -, Poesia (2014), Em Forma (2014) - publicados pela Anome Livros (Belo Horizonte, Brasil) –, Viagem (2015) – Editora Licorne –, Vida sem Demão (2015) – Editora Labirinto – e Entre-Tecidos (2016; textos de Paulo Pego e obra plástica de Sónia Aniceto) – Editora Licorne.

Publicou contos e traduziu para português poemas de Ada Christen e de Francisca Stoecklin. Participou igualmente em exposições de fotografia.

Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimos Tweets

Aulas na Secundária de Caminha transferidas para contentores https://t.co/SjYOR2ki1C
CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA RECEBEM ATELIÊ “CREACTIVITY” https://t.co/WhPolypEmX
CEIAS DE NATAL NA FEITOSA (Ponte de Lima) e DRANCY (Paris)Esgotadas https://t.co/qbl63DsfWp
Follow Jornal das Comunidades on Twitter