Em Helsínquia, junto ao mar

ID:N°/ Texto: 4124

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

    Na linha costeira da capital finlandesa, é frequente, na primavera e no verão, a lavagem de tapetes num exercício em família ou entre amigos. Como queria assistir ao ritual e tinha saudades de beira‑mar, postei‑me com a minha companheira num dos três estrados próximos do bar Mattolaituri, que é muito stylish e tem direito a referência no guia Wallpaper. Os palanques em causa têm mesas para a esfrega e, a alguns metros deles, há varais e uma máquina com rolo de prensagem para dar início ao enxugo. A espera foi infrutífera, ninguém apareceu. Visto que estava frio e no Mattolaituri só nos poderíamos abancar na esplanada, seguimos para o café Ursula, também ele ao pé das águas do golfo. Aí nos serviram capuchino e duas guloseimas, o voisilmäpulla, pão doce redondo, condimentado com cardamomo, que no centro exibe a sequela de uma erupção de manteiga e por isso se chama «olho de manteiga», e o wienermunkki, pequeno travesseiro que sabe a bola de Berlim e tem recheio de compota.

     Céu e mar vestiam‑se do mesmo azul a desbotar para cinzento, mas os barcos e os ilhéus que se intrometiam no horizonte asseguravam não estar defronte de nós apenas uma unidade e o seu reflexo.

     No Ursula as pessoas discreteavam. À semelhança do que sucede na cidade, a boa educação e a elegância de maneiras imperam, a atmosfera é tranquila e convivial e tudo isso impediu que o cinza lá fora nos pesasse na alma. Em Bruxelas não é assim, o gravame do dia pardo é exacerbado pelo baixo nível dos serviços, pela falta de modos que ganha terreno, pelos absurdos com que tantas vezes temos de lidar.

     Dois dias mais tarde, voltámos à orla marítima de Helsínquia para ver o traço atípico do Löyly, estabelecimento com restauração, sauna e, segundo consta, the place to be. O conceito e as linhas revelam arrojo, mas quando lá fomos a estética dava de si ante cinco baleias que se exprimiam em inglês e um grupo de homens mal‑asados que vozeavam em espanhol, elas e eles no terraço da sauna contíguo à esplanada. Tão‑pouco eram agradáveis à vista e ao ouvido os asiáticos barulhentos que, com t‑shirts garridas, mergulhavam no Báltico logo que saíam do suadouro.

     Demos de frosques rumo ao café Birgitta, a dois minutos de caminho e de frequência nórdica. Nele gozámos o fim de tarde ao ar livre e assistimos à seguinte cena: um pardal pousou no prato em que um cavalheiro deixara restos de comida; logo acudiu um corvo que, de forma agressiva, afastou o pardal; por fim, uma gaivota investiu contra o corvo e expulsou‑o dali.

     Na Finlândia, vinha sentindo ou, quando menos, testemunhando concórdia, acatamento e civilidade. Desta vez, bravios foram os animais.

Paulo Pego
Author: Paulo Pego
Colaborador convidado
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.
 
Paulo Pego nasceu em 1967, em Barcelos (Portugal). É doutor em direito, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e jurista-linguista do Conselho da União Europeia, em Bruxelas (Bélgica). 

Publicou livros e artigos jurídicos e faz palestras sobre temas relacionados com a União Europeia. 

Paulo Pego é autor dos livros de poesia À Senoite (2009), A Lógica dos Corais (2013), Le Sel (2013), Livro das Pedras (2014) - publicados pela Orfeu (Bruxelas) -, Poesia (2014), Em Forma (2014) - publicados pela Anome Livros (Belo Horizonte, Brasil) –, Viagem (2015) – Editora Licorne –, Vida sem Demão (2015) – Editora Labirinto – e Entre-Tecidos (2016; textos de Paulo Pego e obra plástica de Sónia Aniceto) – Editora Licorne.

Publicou contos e traduziu para português poemas de Ada Christen e de Francisca Stoecklin. Participou igualmente em exposições de fotografia.

Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Últimos Tweets

Mar de Sonhos – a emigração nos vapores transatlânticos https://t.co/XRwkArEQcR
Quando a fraqueza nos torna mais fortes https://t.co/XVjbXlZokJ
FALECEU A FADISTA TERESA TAROUCA https://t.co/yYAgFXhdlv
Follow Jornal das Comunidades on Twitter