Covid-19: Dúvidas sobre vacinação entre 12 e 15 anos são “de momento” e não de “princípio” - PR



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

(Lusa) – O Presidente da República considerou hoje que as dúvidas relativas à vacinação das crianças entre os 12 e 15 anos não são "tanto dúvidas de princípio, quanto de momento”, afirmando que “tudo tem o seu tempo”.

“As dúvidas que existem quanto à vacinação em idades mais baixas não são tanto dúvidas de princípio quanto de momento. Não se discute o princípio, diz-se que ‘nesta fase ainda não’”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República fazia uma declaração no Palácio de Belém sobre as medalhas conquistadas por atletas portugueses nos Jogos Olímpicos de Tóquio2020, tendo aproveitado a ocasião para abordar a campanha de vacinação em Portugal.

Afirmando que é preciso “ter paciência” no que se refere à vacinação das crianças entre os 12 e 15 anos, Marcelo Rebelo de Sousa fez uma comparação com a utilização das máscaras para referir que, no início da pandemia, o próprio andou a “pregar no deserto durante umas semanas ou meses acerca da utilidade das máscaras”.

“Dois meses depois, concluía-se que eram fundamentais, dois meses antes eram desnecessárias e contraproducentes. Portanto, tudo tem o seu tempo e está a correr bem a vacinação”, realçou Marcelo.

O Presidente da República frisou que o “fundamental” é que, “quanto à questão de princípio” da vacinação das crianças, não haja “nenhuma objeção definitiva”, e reiterou que é preciso “deixar correr o tempo” para mostrar que, “aquilo que é bom neste momento na Madeira” – onde já está a decorrer a vacinação das crianças entre os 12 e os 15 anos – “venha também a ser considerado bom nos Açores e no continente”.

Marcelo Rebelo de Sousa quis ainda “felicitar a forma” como a campanha de vacinação está a “avançar muito rapidamente”, e afirmar que a decisão do Governo de “abrir mais a economia e a sociedade portuguesa” foi uma “boa decisão”.

“Os números têm dado razão a essa postura e a essa posição do Governo, e espero que a vacinação vá avançando, de acordo com as prioridades que estão definidas e cobrindo até ao limite possível a população portuguesa”, afirmou o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se assim “muito esperançado” que seja “rápida a vacinação dos que estão entre os 16 e 17 anos”, para que, “ulteriormente”, seja possível começar a vacinar, então, as crianças entre os 12 e os 15 anos.

A DGS recomendou na sexta-feira a administração de vacinas contra a covid-19 em crianças entre os 12 e os 15 anos com comorbilidades.

Segundo a norma que define as doenças prioritárias para vacinação entre os 12-15 anos, devem ser vacinadas prioritariamente contra a covid-19 as crianças que tenham cancro ativo, diabetes, obesidade, insuficiência renal crónica.

A norma estabelece também como doenças prioritárias para vacinação a transplantação, a imunossupressão, as doenças neurológicas, que englobam a paralisia cerebral e distrofias musculares, as perturbações do desenvolvimento, como a Trissomia 21 e perturbações do desenvolvimento intelectual grave e profundo.

A doença pulmonar crónica, doença respiratória crónica, como asma grave, e fibrose quística também estão entre as prioritárias.

Para a DGS, deve ser dada a possibilidade de vacinação a todas as crianças desta faixa etária por indicação médica e segundo a disponibilidade de vacinas, remetendo uma decisão sobre o acesso universal para quando houver dados disponíveis adicionais sobre a vacinação nestas idades.


Adicionar o seu comentário aqui!