Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
sábado, 22 janeiro 2022

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

2021: CDS definha em lutas fratricidas e vê sair personalidades



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

O CDS-PP viveu em 2021 uma crise interna que levou a duas tentativas de disputa pela liderança, um congresso antecipado e depois cancelado, e a desfiliação de personalidades como Adolfo Mesquita Nunes e António Pires de Lima.

Ao longo do ano, o presidente do CDS-PP foi alvo de duras críticas por parte de vários dirigentes e desafiado para eleições por Mesquita Nunes e Nuno Melo.

Depois de em janeiro ter celebrado a vitória de Marcelo Rebelo de Sousa nas eleições presidenciais, Francisco Rodrigues dos Santos foi desafiado por Mesquita Nunes para marcar eleições antecipadas.

Na altura, o ex-vice-presidente de Assunção Cristas afirmou que seria candidato à liderança do partido caso fosse marcado esse congresso eletivo extraordinário.

Mas essa reunião magna não chegou a acontecer. O líder apresentou ao conselho nacional uma moção de confiança que foi aprovada com 54% dos votos e Adolfo Mesquita Nunes retirou-se.

Ainda assim, a este desafio seguiu-se uma cisão na direção do CDS-PP. Depois de Filipe Lobo d’Ávila ter feito um acordo com Francisco Rodrigues dos Santos no último congresso e ter integrado a direção como vice-presidente, o dirigente demitiu-se do cargo e mais de uma dezena de outros, maioritariamente vogais da comissão política nacional e da comissão executiva (órgão mais restrito da direção), fizeram o mesmo.

Meses mais tarde, nas eleições autárquicas de setembro, CDS-PP e PSD assinaram um acordo-quadro e foram coligados em mais de uma centena de municípios. Os centristas perderam votos onde concorreram sozinhos, mas mantiveram as seis câmaras a que presidem e chegaram à liderança de mais municípios juntamente com o PSD, entre as quais capitais de distrito como Lisboa ou Coimbra.

Na sequência das autárquicas, a direção do CDS propôs a antecipação do congresso, que estatutariamente deveria realizar-se no final de janeiro, dois anos depois da última reunião magna.

O 29.º congresso esteve marcado para 27 e 28 de novembro e seria em Lamego. O atual presidente e o eurodeputado Nuno Melo anunciaram que iriam disputar a liderança nessa altura.

Porém, com o chumbo do Orçamento do Estado e marcação de eleições legislativas antecipadas, a direção propôs (e o conselho nacional aprovou) o seu cancelamento e o adiamento para depois das eleições legislativas, ainda sem data marcada, à revelia de Nuno Melo e dos seus apoiantes, que acusaram a direção de falta de democracia interna e uma “tentativa de golpe de estado institucional”.

O eurodeputado e líder da distrital de Braga do CDS-PP impugnou esta decisão junto do conselho nacional de jurisdição, mas a análise deste processo está suspensa na sequência de suspeitas sobre alegadas incompatibilidades por parte de três membros, segundo transmitiu à Lusa o presidente daquele órgão.

Francisco Rodrigues dos Santos viu também questionada a sua legitimidade para liderar o CDS nas legislativas, uma vez que o seu mandato terminaria em janeiro. No entanto, o líder centrista recusou as críticas sustentando que a sua legitimidade “não é contada por dias”.

O ano ficou também marcado por desfiliações de antigos dirigentes nacionais com críticas à atuação da direção do CDS-PP, como o antigo deputado Francisco Mendes da Silva, o antigo secretário-geral adjunto Luís Marreiros, e mais recentemente saíram também do CDS Adolfo Mesquita Nunes, o antigo ministro da Economia e presidente do conselho nacional António Pires de Lima, a antiga deputada Inês Teotónio Pereira e o ex-dirigente nacional centrista João Maria Condeixa.

Depois de vários momentos de tensão com o grupo parlamentar, o líder da bancada, Telmo Correia, mas também os deputados João Almeida (que disputou a liderança contra Rodrigues dos Santos no último congresso) e Cecília Meireles indicaram que não pretendem regressar ao parlamento na próxima legislatura.

E durante o ano, dois dos cinco deputados deixaram o parlamento. Em março, o líder da distrital de Lisboa, João Gonçalves Pereira, e em setembro Ana Rita Bessa.

As sondagens nacionais mais recentes colocam o CDS-PP na casa do 1%, 2% das intenções de voto, e apontam subidas da Iniciativa Liberal e do Chega (atualmente com um deputado cada).

Nas últimas legislativas, em 2019, o partido teve pouco de 4% e viu o seu grupo parlamentar diminuído para cinco deputados, o que levou à saída de Assunção Cristas.

O líder centrista defendeu recentemente que o cenário de coligação para as eleições de 30 de janeiro apresenta “algumas vantagens” e considerou que “obedece a um princípio de coerência” que o CDS-PP tem firmado com o PSD, indicando que, durante o seu mandato, a coligação na região autónoma dos Açores que “terminou com uma hegemonia de 22 anos” do PS e nas eleições autárquicas “duplicaram as câmaras” que os dois partidos governam em conjunto.


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 295 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia

Pormenor do livro