segunda-feira, 28 novembro 2022

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:517 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:261 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:141 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:515 Crónicas

Os sonhos adiados

Nov. 19, 2022 Hits:206 Crónicas

IXELLES – UMA VILA DESO…

Nov. 15, 2022 Hits:252 Opinião

CRIANÇA PRESA NO PENICO

Nov. 13, 2022 Hits:463 Crónicas

Duas tardes em Coja

Nov. 13, 2022 Hits:805 Apontamentos

Esta vida de hipster

Nov. 08, 2022 Hits:128 Crónicas

Ladroagem Eleitoral

Nov. 06, 2022 Hits:337 Opinião

O “Auto Suicídio” de…

Nov. 04, 2022 Hits:345 Opinião

Ucrânia: FMI aprova ajuda de emergência no valor de 1.400ME





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou quarta-feira 1.400 milhões de dólares (cerca de 1.300 milhões de euros) em ajuda de emergência para a Ucrânia, que enfrenta "uma crise humanitária e económica muito séria" devido à invasão russa.

A verba aprovada pelo Conselho Executivo do FMI servirá para "atender às necessidades urgentes de financiamento e mitigar o impacto económico da guerra", afirma o fundo em comunicado.

O FMI sublinha que apesar das incertezas, "as consequências económicas" da invasão da Ucrânia pela Rússia "já são muito graves", com fluxos de refugiados de mais de 2 milhões de pessoas em 13 dias e a destruição em larga escala de infraestruturas importantes no país.

"Este desembolso ao abrigo do RFI ['Rapid Financing Instrument'], equivalente a 50% da quota da Ucrânia no FMI, ajudará a satisfazer as necessidades urgentes da balança de pagamentos decorrentes dos impactos da guerra em curso e fornecerá apoio crítico a curto prazo, desempenhando um papel catalisador para o financiamento de outros parceiros", pode ler-se no comunicado.

Segundo o FMI, as autoridades ucranianas "cancelaram" o acordo quer tinham com o fundo e manifestaram a sua intenção de trabalhar com para projetar um programa económico apropriado, com vista à reabilitação e crescimento, "quando as condições o permitirem".

A diretora-geral do FMI, Kristalina Georgieva, citada no comunicado, sublinha que "a invasão militar russa da Ucrânia é responsável por uma enorme crise humanitária e económica" que levará "a uma profunda recessão este ano".

As necessidades de financiamento "são grandes, urgentes e podem aumentar significativamente à medida que a guerra continuar", realçou Georgieva.

"Uma vez que a guerra termine e uma avaliação adequada dos danos possa ser realizada, é provável que seja necessário um grande apoio adicional para apoiar os esforços de reconstrução", acrescentou.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 516 mortos e mais de 900 feridos entre a população civil e provocou a fuga de mais de 2,1 milhões de pessoas para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 525  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia