quarta-feira, 08 fevereiro 2023

A lama dos dias

Fev. 02, 2023 Hits:279 Crónicas

DIGNIFICAR A AUTORIDADE

Fev. 01, 2023 Hits:130 Crónicas

Homoousios

Jan. 31, 2023 Hits:161 Crónicas

O Escorpião Marcelo

Jan. 31, 2023 Hits:108 Opinião

Insuspeito assassino

Jan. 27, 2023 Hits:207 Crónicas

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:489 Opinião

A Importância da Educaç…

Jan. 19, 2023 Hits:1882 Crónicas

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:1023 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:440 Apontamentos

Ucrânia: Apelo do Leste resultou numa plataforma que já alojou mais de mil deslocados





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Um apelo de uma comunidade que integra cidadãos russos e ucranianos espoletou a criação em Portugal de uma plataforma imobiliária digital que já alojou mais de mil pessoas, revelou hoje à Lusa a administradora Ana Santos Pereira.

A invasão da Rússia à Ucrânia, a 24 de fevereiro, revelou-se, também, uma “carga de trabalhos” para duas consultoras de imobiliárias, Ana Santos Pereira, em Lisboa, e Joana Kołtan, no Porto, que, correspondendo ao apelo da “comunidade de desenvolvimento humano e de consciência 'Working with Satyia', que integra gente da Ucrânia e da Rússia, alteraram as suas vidas para “ajudar a retirar as pessoas dessa comunidade” do cenário da guerra para “as alojar em Portugal”, contou.

O recurso inicial, uma folha de Excel, quatro dias depois revelou-se “ultrapassado”, seguindo-se novo apelo, desta feita de ambas, “à empresa parceira Casafari para que criasse uma plataforma digital que permitisse tornar o processo automático”, referiu a administradora da então criada CIPU – Consultores Imobiliários pela Ucrânia.

“E assim surgiram os formulários direcionados para os refugiados, onde estes preenchem os seus dados pessoais e o que procuram em termos de alojamento, e para os proprietários, que indicam as suas disponibilidades. Atualmente, o sistema está perto de dar uma resposta automática com as sugestões”, explicou.

Numa luta contra o tempo, o objetivo passa por “acelerar o processo”, disse Ana Santos Pereira, desvendando terem “técnicos de IT (informática) a trabalhar dia e noite para aprimorar o sistema”.

Com “mais de 3.500 camas registadas na plataforma e mais de mil pedidos de ajuda”, têm, atualmente, “mais de 200 voluntários a trabalhar”.

Da comunidade, contou, conseguiram “trazer e alojar todos em Portugal”.

“Já trouxemos para Portugal mais de 250 famílias, ou seja, perto de mil pessoas”, precisou, explicando que “90% dessas pessoas estão em alojamento gratuito e uma minoria em alojamento pago”.

A consultora lamentou, contudo, uma realidade paralela, a de haver “pessoas [deslocadas da Ucrânia] que chegam a Portugal com capacidade para pagar dois ou três mil euros por mês pela habitação, mas que não estão a conseguir alojamento porque os proprietários exigem um ano de contrato e não os três ou quatro meses que os refugiados acham que precisam”.

Segundo Ana Santos Pereira, a solução passa pela recomendação de recurso ao Airbnb e ao Booking (serviços ‘online’ de pesquisa e reserva de alojamento) para fazer uma reserva pelo máximo de tempo possível.

“A nossa dificuldade é ter voluntários para dar resposta. Até terça-feira vamos ter de alojar 400 pessoas que estão previstas chegar. Até nas ilhas temos oferta e já há lá pessoas alojadas, sendo que aqui há também a oferta de trabalho e de salário”, acrescentou.

Admitindo haver “problemas de alojamento de pessoas que trazem animais de raças perigosas”, a responsável enfatizou continuar numa “luta contra o tempo” e contra a “falta de recursos humanos”.

“Temos mais de 200 voluntários e precisávamos de 400 para conseguir garantir uma resposta em 48 horas”, concluiu.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 780 mortos e 1.252 feridos, incluindo algumas dezenas de crianças, e provocou a fuga de cerca de 5,2 milhões de pessoas, entre as quais mais de 3,1 milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 662  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

News Fotografia