Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
quarta-feira, 22 setembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Novo Banco: Comissão de inquérito responsabiliza Governo na venda à Lone Star



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

(Lusa) - Os deputados da comissão de inquérito ao Novo Banco aprovaram hoje várias alterações ao relatório que passam a responsabilizar também o Governo socialista na decisão de venda à Lone Star, apesar dos votos contra do PS.

À proposta da versão preliminar do relatório elaborada pelo deputado Fernando Anastácio (PS), que referia que "a decisão da venda ao fundo americano "Lone Star" coube ao BdP [Banco de Portugal] no exercício das suas competências", foi introduzida uma alteração da IL, apenas com voto contra do PS e abstenção do PAN, que refere que coube ao BdP "e ao Governo" a decisão de venda.

Paralelamente, uma proposta do BE, aprovada por todos os partidos excluindo o PS, refere-se também à mesma decisão, "tendo o XXI Governo Constitucional tido um papel determinante, tanto nas negociações com a Comissão Europeia como na decisão final".

Já uma proposta do PSD, na qual o PS também ficou isolado, refere que a venda contou com "a colaboração do Ministério das Finanças que foi sendo informado sobre todo o processo".

Uma outra proposta do BE, também aprovada com votos contra do PS, refere que "a venda do NB as suas condições contratuais - definidas pelo BdP e pelo XXI Governo Constitucional, em linha com as imposições europeias - não permitiram a melhor a salvaguarda do interesse público".

 Também foi incluída uma proposta do PCP referente à auditoria do Tribunal de Contas, que "reconhecendo que o financiamento público assegurou a estabilidade do sistema financeiro", acaba por confirmar "que os recursos do Fundo de Resolução são recursos públicos e que a venda, como foi feita, não assegurou a melhor utilização do erário público".

Pelo CDS, foi aprovada uma proposta que refere que apesar da salvaguarda do sistema financeiro, "não foi minimizado o seu impacto na sustentabilidade das finanças públicas nem reduzido o risco moral", ao que se somou uma proposta da IL afirmando que o processo não acautelou "da melhor forma a defesa dos contribuintes".

O CDS também vincou que "ficou prevista uma cláusula de backstop, que o Governo não comunicou em Portugal e cujo montante não quantificou publicamente", numa proposta aprovada por todos os partidos à exceção do PS.


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 300 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

News Fotografia

Pixabay